Amadeu Cavalcante. Cada vez melhor e cada vez mais técnico. E são 30 anos do LP “Sentinela Nortente” um marco na música da Amazônia

Os 30 anos do disco “Sentinela Nortente” foram motivos de justas homenagens surpresas por membros e servidores do Ministério Público do Amapá, da Prefeitura de Macapá e do Secretaria de estado de Cultura.

Amadeu Cavalcante fez um show memorável no “Luau na Samaúma” .  Digno dos grandes artistas, que muito contribuem para a qualidade da música que se faz na Amazônia.

 

O texto abaixo é da jornalista Mariléia Maciel e mostra com competência o que significa o lançamento de “Sentinela Nortente” há 30 anos.

“30 anos atrás, Osmar Júnior e Amadeu Cavalcante ousaram sair dos bares e quintais, e após uma viagem de moto pelo estado, feita pelo poeta Osmar, colocaram os sonhos e, poesias e canções em uma obra que é o principal marco da música amapaense. Sentinela Nortente é a mistura das aventuras vividas, o grito, as angústias, as paixões juvenis, os costumes da amazônia,distribuídas em 11 músicas criadas por Osmar e Amadeu.

Foi este disco que chamou atenção para o talento desses dois artistas, que já batalhavam pela valorização da música regional há alguns anos, mas foi a partir de Sentinela Nortente que o público passou a escutar com mais sensibilidade as músicas aqui produzidas. E despertou outros artistas para que apostassem na gravação de seus trabalhos, e então surgiram os discos independentes de Val Milhomem, Formigueiro, Zé Miguel, com seu Vida Boa, e o próprio Osmar Júnior, que gravou seu primeiro solo, Revoada, e os tantos outros que vieram depois, produzidos por grandes artistas que temos no Amapá e que são cantados Brasil afora.

Ou seja, Sentinela Nortente foi a obra reveladora, o beliscão que faltava para chegarmos ao nosso nível musical de hoje, e fez com que os amapaenses se olhassem e sentissem orgulho do taperebá, da água de poço, do tajá, que cantassem as ilusões de seu coração tropical, e se reunissem para escutar estas canções ao redor de um toca-disco, e cantassem alto seu orgulho.

Ao comemoramos as três décadas de Sentinela Nortente, vemos uma obra primorosa, feita com carinho e paixão, com músicas bem cuidadas, manifestos de amor por nós mesmos, e vemos a sua importância para o momento atual, em nosso nível musical e cultural, um cenário em que nossos artistas se inspiram no que temos de melhor, nas tradições, no rio amazonas, nessa samaumeira que é o símbolo do MP-AP, no Marco zero Curiaú, e a cada hora redescobrem o que é comum, e nos fazem ver o quanto somos abençoados pela natureza.

Estes pioneiros merecem todas as palmas e reconhecimento, pelo legado musical rico, as canções hoje antológicas no cancioneiro regional, que nos fazem olhar com mais amor e para o que está ao nosso redor”.

  • Que show!!! Muito digna tal homenagem. Cheguei ao Amapá em 1992, e tal logo me ambientei nesses ares, ainda morando em Oiapoque, minha memória e subconsciente começaram a serem pirografados pelo grave suave e aveludado contido no timbre de Amadeu Cavalcante, embuido pela eloquência dos versos e reversos de Osmar Júnior… Hoje sinto me honrado em ter como amigos esses baluartes da música cultural amapaense, a exemplo de tantas outras estrelas como Zé Miguel, o grupo Raízes aéreas, Pilão e outros mais, ícones exponenciais que com certeza modelaram através dos dias o meu jeito e gosto de ser nessa terra maravilhosa… Até minha namorada Maria Luana… Uma festa de acauãs bacuraus… Meu coração tropical amanheceu batucando por você!!!…

Deixe uma resposta para Adenor Monteiro de Souza Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *