Agressão gratuita e sem necessidade

Por Ana Girlene – Jornalista

Tenho acompanhado, confesso, ainda um pouco perplexa, a campanha difamatória que o Programa Café com Notícia e os blogs de Alcilene e Alcinéa Cavalcante vêm sofrendo nos últimos dias. A jornalista Márcia Corrêa, com quem cursei faculdade de jornalismo e divido a apresentação do programa, todas as manhãs, de segunda a sexta-feira, há três anos e meio, na Rádio Equatorial, 94,5 FM, “ousou” fazer uma pergunta sobre alianças políticas ao candidato do PSB ao governo do Estado e logo uma rede articulada entrou em ação.

Desde que entramos no ar, procuramos cumprir com responsabilidade o nosso papel de jornalistas. Embora tenhamos opinião sim, sobre os mais diversos assuntos, procuramos utilizar uma estratégia discursiva, escolhendo fontes confiáveis, selecionando falas qualificadas, abordando o ângulo da notícia o mais amplo possível e reproduzindo as vozes, que representem os vários lados da informação.

Conhecer esses caminhos é importante, pois dessa forma buscamos, ao utilizar uma multiplicidade de meios, equilibrar o volume de informações repassadas aos nossos ouvintes, para que cada um faça a interpretação que julgar apropriada, e assim forme a sua própria opinião. Não temos a pretensão de “fazer a cabeça” de ninguém, porque apostamos na inteligência e capacidade de elaboração das pessoas que nos ouvem.

Como disse anteriormente, a tarefa não é fácil. Rótulos são facilmente colocados e a rapidez dos fatos, aliada ao dinamismo do rádio torna tudo ainda mais perecível e arriscado. Optamos pelo canal direto com a comunidade, por meio de participações ao vivo e mensagens que chegam a cada instante, tornando o cidadão uma espécie de pauteiro e fonte permanente. Abrimos democraticamente o nosso espaço radiofônico para que o debate ocorra da forma mais democrática possível.

As falhas, naturais do processo, procuramos corrigir a cada dia fazendo um exame dos nossos comentários e das matérias que levamos ao ar. Aceitar a crítica é o mínimo, providenciar acertos e corrigir as falhar, é obrigação. Não me espanta o artigo com críticas, mas o tom utilizado, as acusações descabidas e a lamentável estratégia utilizada de divulgação e repetição de mentiras e especulações difamatórias e injuriosas, justamente dos que sempre se disseram vítimas de tais práticas.

A estratégia de desqualificação do Café com Notícia é pensada e articulada sim! Prova disso é que o artigo que tenta denegrir o programa e as jornalistas já citadas, foi distribuído de forma combinada pela assessoria de imprensa do gabinete da Deputada Janete Capiberibe, indevidamente pelo mailing da assessoria de imprensa da Fecomércio e ganhou eco no blog Notícias Daqui, braço digital do partido. Portanto, não foi uma atitude isolada do colunista, como alguns tentam fazer crer.

É assim que funciona a velha prática de desmoralizar quem não está à serviço de quem acusa. Eles vão de um extremo ao outro com a mesma velocidade e desenvoltura, como se tivessem o poder de “abençoar” inimigos, outrora veementemente criticados, e condenar os que de alguma forma, ou por qualquer motivo simplesmente negam dizer amém. O episódio é lamentável e incompatível com os novos tempos que se espera na política local, com diz o sociólogo Hélio Jaguaribe, “no Brasil já não há mais espaço para radicalismo”.

Ana Girlene Oliveira

Jornalista

  • Girlene é parceira e está sofrendo junto com o que aconteceu. O Café com Notícia é nosso trabalho e vamos mantê-lo no nível elevado que sempre teve. A pedido de nossos ouvintes queridos, vamos virar a página no rádio e seguir com equilíbrios e alegria.

  • Girlene
    Lembres que,em primeiro lugar,vem o teu espelho/travesseiro,depois todo o resto.Cru,mas bem cru mesmo;quem paga as tuas contas és tu.
    Quem dorme com a consciencia limpa és tu.
    Inveja de voces muitos tem(até os coleguinhas,rsrsrs)pois,sem se venderem ao grupo poderoso que comandou o estado nos ultimos oito anos,conquistaram o respeito e admiração da população amapaense.Os que as atacam hoje são os mesmos que,pós eleições,terão a cara de pau de pedir uma indicação aos eleitos pois,eles,alem do escárnio comum nestas horas perderão a “teta” que os alimentou por tanto tempo.Não esquenta,como disse à Deputada Marilia Goes antes das eleições,dor de dente e tempestade vem e passam.Continue assim e conte comigo.
    Abs

  • Girlene,quero parabenizá-la pelo conteúdo de seu texto. Acredito na verdade de suas palavras porque acompanho o programa “café com notícias” desde o primeiro dia de sua apresentação e vejo o empenho que você e Marcia aplicam para que a democracia prevaleça, para que o canal com a comunidade esteja aberto sempre. Tarefa nem sempre fácil. Para minha decepção, o que tenho lido nos blogs é uuma inexplicável reação de pessoas que não tem a sabedoria e humildade de conviver com as diferenças. É lamentável porque o que se espera é que com o passar dos anos e a idade avançando, nós, seres considerados inteligentes, tornemo-nos mais sábios,autênticos,tolerantes,humildes e portanto conciliadores. Infelizmente, nem todos fazemos a opção por esse caminho. Continue no seu aprendizado diário Girlene, e NÃO PERMITA NUNCA que o ódio, o rancor, a inveja e o desejo de vingança conduzam a sua vida. Lembre-se: a verdade liberta, e a mentira aprisiona. Ab. Maribel

  • Não consigo entender o por que foi dado tanta resonância para o ocorrido, a grande audiência e liderança do café com notícias, se dá justamente pela sua imparcialidade comprovada e, principalmente pelo equilibrio das competentes apresentadoras. Portanto, além de alguns comentários e artigos em blogs ou sites, nada mais se ver na imprensa local que abale a credibilidade do programa, que simplesmente transformou-se em fenômeno de liderança e audiência no rádio amapaense.
    Meninas, sei que vcs não se deixarão envolver-se por paixões politicas de momento, muitas pessoas, sejam elas partidárias do Lucas ou Camilo, sordidamente estão tirando proveito da grande audiência do programa para desqualificar o candidato oponente. Vcs sabem quem está se divertindo com essa história toda? São os radialistas jabazeiros que se deleitam com a possibilidade de ver vcs tomarem partido e ver a tão propalada imparcialidade indo por água abaixo. Não se deixem abater e muito menos entrem no jogo sujo que a politica as vezes tenta nos impor, continuem firmes com esse propósito de levar a notícia pautada na mais pura verdade. Boa sorte!

    • Não conheço o programa,muito menos quem o apresenta,mas pelos comentários que já vi e ouvi sobre o assunto,acredito que suas colocações é oque de melhor já vi por aqui.Muinto alarde em um momento em que os “diabinhos” estão soltos e espreitam seus opositores.

      • Carla, o programa é um sucesso, e é apresentado por duas briosas jornalistas,Ana Girlene e Marcia Correa e com a participação de um ícone da imprensa livre desse estado o Corrêa Neto. Assista que vc vai gostar. é o contra ponto do que ouvimos e vemos na mídia amestrada.

  • Um amigo que passa uma temporada no estado me disse: – Nunca vi um estado ser tão pacional com a política, parece a até campeonato de futebol de apenas dois times1″. Se pacionalidades, o que vcs sofrem hoje é pressão [email protected] que não entram no jogo da paixão eleitoral. É muito poder em jogo minhas queridas! E a regra é: Quem não está comigo é meu [email protected]! Esse momento vai passar e a verdade o tempo reestabelece! Abrços e muito coragem pra vcs! O nosso Café é melhor doque isso!

  • Fazemos deste pequeno espaço democrático a nossa trincheira de resistência ao terror imposto por militantes inescrupulosos e sem o devido respeito pela inteligência do eleitor.
    Os tempos mudaram, nos dias de hoje, e com a velocidade e a distância em que as informações percorrem, a mentira tem a perna mais curta do que nas décadas passadas, podemos checar os informes em questão de minutos.
    Então notamos que falta um pouco de censo crítico nestes militantes terroristas, eles ainda não perceberam que estamos cansados de ser manipulados como marionetes deste jogo de interesses.
    Esses “diabinhos” (me livre Senhor meu Deus desta palavra) são propagados sem a devida responsabilidade com a CAUSA mas somente com interesse no EFEITO que eles provocam.
    Esperamos que a proprietária do blog continue filtrando as informações e publique os comentários quando suas fontes forem dignas de credibilidade.
    Que não se faça censura, que era uma das armas das administrações passadas, mas que nos privem de ler boatos infames contra pessoas de bem que trabalham por esta terrate e dispõe de seu precioso tempo para nos deixar devidamente informados.
    RESPEITEM O ELEITOR
    “NÃO SUBSTIMEM A INTELIGÊNCIA DESTE POVO”,

  • não se intimidem.. continuem levando a noticia a todos nos CIDAdãos .. honestos e que qremos informção verdadeira.. eu acredito que vcs devem virar a pagina e apagar da memoria esse fato horrovel que lhes aconteceu..

  • Muito bem Girlene. Texto muito bem construído, falando a verdade sobre esse triste episódio. Minha solidariedade a você, Márcia, Alcinéa, Alcilene e ao Correea Neto.

  • Lene,
    Já postei isso no Blog da Nea, vou repetir aqui;

    Acho que o Bira, não precisaria ter embrutecido o debate. Tanto na forma como o fez, através do site do Correa, como com relação ao conteúdo que não agregou nada às conquistas democráticas.
    Lamentável.
    Alcione

  • Ah gente fala serio, vamo trocar o disco! todo o pvo do amapá sabe de que forma trabalha a imprensa do amapá.Todos já perceberam que essa campanha difamatória, só tem um intuito, desqualificar o candidato da oposição, por favor com tanta experiencia, já deviam saber que esse joguete é ultrapassado!Troca a fita!

  • Não sei qual o motivo que as palavras ÓDIO, RANCOR, INVEJA, são usados frequentemente por alguns leitores do blog. Com todo o respeito a vocês, essas palavras estão fora de meu vocabulário e de minha família. A vida tem que ser cheia de alegrias, esperança e trabalho. Precisamos ter paz no coração e afeto ao próximo. Viver em sociedade é respeitar o espaço de cada um. Isso sim, significa a plena democrácia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *