A Ponte

“Ponte precisa ser inaugurada, mas que todos tenham o direito de ir e vir”, diz o governador Camilo

O governador Camilo Capiberibe cumpriu agenda nesta quinta-feira, 14, no município de Oiapoque, onde, juntamente com o secretário de Estado dos Transportes, Bruno Mineiro, e dois técnicos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), esteve no canteiro de construção das instalações alfandegárias que ficam a 200 metros da ponte binacional – cuja previsão de inauguração, do Governo Federal, é dia 12 de dezembro.

Lá, também acompanhado do prefeito de Oiapoque, Miguel do Posto, e de representantes da Câmara de Comércio da Guiana Francesa, o governador Camilo Capiberibe repetiu que a ponte precisa ser inaugurada, mas com o direito garantido de ir e vir de brasileiros e de guianenses, sem a necessidade da cobrança do visto, entre outros acordos, como os comerciais, que precisam ser definidos.

 

Atualmente, somente quem reside na Guiana Francesa pode entrar em território brasileiro apresentando apenas o passaporte. Já os brasileiros, até mesmo os que moram em Oiapoque, se quiserem atravessar para a cidade de Saint-Georges, precisam, além do passaporte, do visto. Do contrário, correm o risco de serem deportados, mesmo estando na área da fronteira. O interessante é que a cobrança é apenas na Guiana Francesa, já que, para entrar na França, não há necessidade do visto.

“A ponte tem de ser inaugurada com todos os instrumentos que possibilitem o desenvolvimento dos dois países, principalmente do Amapá. Que sejam assinados os acordos de cooperação que garantam os direitos dos cidadãos, tanto da Guiana Francesa como do Brasil. Hoje, a estrutura física da ponte já une dos dois países, mas, sem essas definições, só um dos lados vai poder atravessar e isso não é justo com o povo do Amapá”, ratificou o governador Camilo Capiberibe, justificando que o Estatuto Transfronteiriço é o mecanismo que vai garantir os direitos e deveres de todos.

Instalação provisória

Para garantir que a inauguração ocorra em dezembro, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes vai construir uma instalação provisória do pátio aonde funcionará a aduana brasileira, e a presença dos dois técnicos do órgão é para garantir que o serviço seja executado dentro do prazo. A data, 12 de dezembro, foi escolhida, pelo governo brasileiro, por coincidir com a vinda do presidente da França, François Hollande, à Guiana Francesa.

Paulo Ronaldo Almeida/Secom

  • No Amapá é assim enquanto ums fazem a malfadada Caravana do Desenvolvimento que fere frontalmente regras do Direito Eleitoral e são devidamente impedidos pela justiça. Outros fazem a Caravana da Falta de Vergonha para com os interesses públicos do povo, como se explica essa ponte pronta a tanto tempo sem inauguração?

  • Mas quem tem que viabilizar esses acordos não são as autoridades constituídas? Caso seja competência exclusiva do Governo Federal, entendo que o Governador (CAMILO) e os parlamentares deveriam fazer gestões no sentido de regulamentar isso, até antes do dia 12.12.2013, data prevista pra inauguração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *