Reforço Vacinal: MP-AP participa de lançamento de projeto da Fiocruz, na Unifap

Nesta quarta-feira (27), o Ministério Público do Amapá (MP-AP), representado pelo titular da 1ª Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde Pública (PJDS), promotor de Justiça Wueber Penafort, participou do lançamento do projeto Pela Reconquista das Altas Coberturas Vacinais (PRCV). O objetivo do evento, que ocorreu no auditório da Universidade Federal do Amapá (Unifap), foi a criação de redes locais de comunicação e educação para apoiar a implementação das ações de enfrentamento dos problemas e riscos que as baixas coberturas vacinais provocam na saúde pública.

A iniciativa foi coordenada pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz), em parceria com o Programa Nacional de Imunizações do Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde (PNI/DEIDT/SVS) e Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

O assessor científico sênior da Bio-Manguinhos/Fiocruz, Akira Homma, frisou a importância da participação da sociedade para resgatar os altos índices. “Precisamos de toda a sociedade envolvida para conquistar outra vez aquelas altas coberturas vacinais que tivemos. Cada local tem um problema diferente. Não tem um programa que cumpra e resolva os problemas de todas as comunidades. Portanto, discutiremos o Plano de Ação de cada município para cumprir os objetivos”.

O titular da 1ª Promotoria da Saúde, promotor de Justiça Wueber Penafort, avaliou a iniciativa. “O Brasil está preocupado com a baixa cobertura vacinal e o ressurgimento de doenças que antes não existiam: o sarampo, a poliomielite e, principalmente, a Covid-19, que nos rodeia com novas variantes. Atualmente, temos enfrentado uma baixíssima cobertura vacinal – especialmente nas crianças e adolescentes – o que preocupa o país inteiro”.

Mais sobre o projeto pela Reconquista das Altas Coberturas Vacinais

O projeto estabelece uma rede de colaboração interinstitucional, envolvendo atores nacionais e internacionais dos setores governamental, não governamental e privado, em torno da melhoria da cobertura vacinal brasileira. Serão implementadas ações de apoio estratégico ao PNI para reverter a trajetória de queda nas coberturas vacinais dos Calendários Nacionais de Vacinação – da Criança, do Adolescente, do Adulto e ldoso, da Gestante e dos Povos Indígenas e, assim, assegurar o controle de doenças imunopreveníveis como o sarampo, a poliomielite, a gripe, o câncer de colo do útero, meningites e todas as outras cujas vacinas são disponibilizadas gratuitamente para a população, nos postos de saúde.

Nos últimos anos, especialistas em imunização e vigilância em saúde de diferentes instituições governamentais e não governamentais vêm alertando sobre a queda progressiva da cobertura vacinal no país, cenário agravado pela pandemia da Covid-19. Outros fatores que têm influenciado nesse cenário são o desconhecimento da gravidade dessas doenças por parte da população – inclusive em função do próprio sucesso do PNI, as fake News – que repercutem na hesitação em vacinar, e problemas estruturais no país. O alerta da baixa cobertura vacinal vem acompanhado pela reintrodução de doenças imunopreveníveis como o sarampo.

“A Fiocruz e o Ministério da Saúde estão com esse projeto a nível nacional e de suma importância, que é uma campanha da campanha de vacinação. É necessário sensibilizar a sociedade para voltar ao centro de vacinação, para que haja uma juventude e uma sociedade saudável. E isso só é possível com imunização em massa”, finalizou Wueber Penafort.

Autoridades presentes

Estiveram presentes no evento: a segunda secretária da SSBIm, Flávia Bravo; a diretora do Departamento de Saúde da Família (DESF), Renata Costa, representando a Secretaria de Atenção Primária à Saúde, do Ministério da Saúde (SAPS/MS); o superintendente Estadual do Ministério da Saúde (MS), Roberto Bauer; a superintendente de Vigilância em Saúde (SVS), Margarete Gomes; o presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Amapá (COSEMS/AP), Marcel Menezes e o pró-reitor da Universidade Federal do Amapá, Cristiano Santos – representando o reitor da instituição, professor Júlio Sá.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.