Publicidade

Repiquete no Meio do Mundo

Um blog feito na esquina do Rio Amazonas com a Linha do Equador, no Amapá.

Repiquete Interativo

Alcilene Cavalcante em 05 de julho de 2017

Participe do blog com noticias, informações, denúncias, reclamações e artigos.
Você pode participar através do link ao lado, clicando em cima do banner “Você Repórter”.
Ou pelos e-mails
[email protected]
[email protected]

Deixar um comentário

Deus Salve a Amazônia!

Alcilene Cavalcante em 05 de julho de 2017

*Marco Chagas. Professor Doutor em Gestão ambiental

Em 2012, no Brasil, a ONU promoveu a 3ª Conferência Mundial sobre Meio Ambiente. A 1ª foi em 1972, na cidade de Estocolmo/Suécia. Lá se vão 45 anos. Desde então os países têm procurado incorporar em suas agendas preocupações com o meio ambiente e importantes avanços na melhoria da qualidade de vida são inquestionáveis. As cidades foram saneadas, rios despoluídos e as florestas manejadas ou protegidas. Entretanto, chegamos ao Século XXI conscientes de que o maior problema ambiental do planeta não são as mudanças climáticas e sim a pobreza. Desde então, o meio ambiente passou a integrar a pauta dos 17 objetivos do desenvolvimento sustentável da ONU.
O Brasil resistiu em aderir à agenda ambiental global e tardiamente estabeleceu sua política ambiental em 1981. Nessa, consta os instrumentos da política ambiental, com ênfase em ações de comando e controle, como a fiscalização e o licenciamento ambiental. Lá se vão 36 anos da Política Nacional do Meio Ambiente (PNMA). Ao longo desses anos aprendemos que produzir com a floresta em pé é a melhor estratégia para combater a pobreza. A floresta amazônica passou a se confundir com a política ambiental brasileira ao ponto do Ministério do Meio Ambiente (MMA) ser avaliado pela capacidade de controle do desmatamento na região.
A floresta Amazônia tem contribuído sobremaneira para manter o status de um ministério para o meio ambiente e os recursos da cooperação internacional garantem certa viabilidade financeira para o MMA. Desde o Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG-7), na década de 1990, até o atual Fundo Amazônia, cujo doador líder é a Noruega, manter a floresta em pé tem sido o desafio da política ambiental conduzida pelo MMA.
Há muito tempo que se reivindica a reformulação da política ambiental, com foco em instrumentos integrados que possam beneficiar ações de produção para a conservação da floresta amazônica. Reduzir a pobreza regional com a floresta em pé passou a ser a principal meta da política ambiental e a cooperação internacional sempre apoiou o governo brasileiro em várias frentes de ações, desde o fortalecimento dos órgãos ambientais até projetos de geração de renda em comunidades tradicionais da Amazônia.
Após 45 anos de política ambiental global sob a égide da ONU e mais de 35 da política ambiental brasileira, a declaração do ministro do MMA de que “só Deus pode garantir a floresta em pé” demonstra total falta de respeito com os esforços de servidores públicos, de organizações da sociedade civil e de empresas que se dedicam a causa ambiental e acreditam que outra Amazônia é possível!
Produzir para conservar a floresta e para reduzir a pobreza urbana, como ensinava a professora Bertha Becker, continua sendo o novo paradigma da política ambiental. A diferença é que diante da declaração do ministro do MMA, na Noruega, fica claro que a reformulação da política ambiental não passa pela gestão do MMA. Vá de retro!

Deixar um comentário

Parceria entre MP-AP e PMM visa incentivar atividades culturais na Praça Samaúma

Alcilene Cavalcante em 05 de julho de 2017

 

O procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Amapá (MP-AP), Márcio Augusto Alves, acompanhado pela diretoria-geral, promotora de Justiça Ivana Cei, e a assessora técnica Alcilene Cavalcante, receberam o prefeito de Macapá, Clécio Luís, visando implementar, na praça da Samaúma, uma vez ao mês, a sexta cultural nos dias de lua cheia, proporcionando dessa forma mais uma opção de entretenimento e lazer para a sociedade e moradores do entorno da sede do MP.

“A intenção é trazer a população para mais perto do MP”, ressaltou o PGJ Márcio Alves. A partir de agosto, o projeto inicia com musica, Mostra de objetos antigos, gastronomia, Atividades circenses para as crianças. “Precisamos trazer mais vida para essa praça. Nossa intenção é proporcionar para população mais momentos de lazer com as suas famílias”, ponderou Márcio.

O prefeito Clécio Luís disse que é muito bem-vinda a ideia do MP de querer realizar esse tipo de evento, ainda mais por procurar a Prefeitura para ser parceira. “É uma ideia maravilhosa. A prefeitura está trabalhando para dar mais oportunidades de lazer à população e ocupando espaços públicos para isso” enfatizou.

Comunicação – MP-AP

Deixar um comentário

Capiberibe cobra do governador Waldez área para construção da Unidade Avançada do Hospital de Câncer de Barretos em Macapá

Alcilene Cavalcante em 05 de julho de 2017

 

Senador João Capiberibe (PSB/AP) enviou ofício ao governador do Amapá, Waldez Góes, solicitando informações sobre a disponibilização de área para a construção da Unidade Avançada do Hospital de Câncer de Barretos, em Macapá.

A demanda dos pacientes com câncer que precisam sair do Estado para fazer tratamento no Hospital de Câncer em Barretos (Programa de Tratamento Fora de Domicílio – PTFD) é crescente. Diante disso, surgiu uma articulação tripartite com a Bancada Federal, o Hospital de Câncer de Barretos e o Governo do Estado do Amapá para a implantação de uma Unidade do Hospital de Câncer de Barretos no município de Macapá.

Assim, os parlamentares da Bancada destinaram por meio de Emenda Individual um total de R$ 21.400.000,00. Desse valor, R$ 18.400.000,00 já foram liberados.

“A equipe do Hospital de Câncer de Barretos está pronta para iniciar as obras, aguardando apenas a liberação do terreno por parte do Governo do Estado do Amapá”, afirmou o senador Capiberibe.


Greicy Pessoa – Assessora de Imprensa
Gabinete do Senador João Capiberibe (PSB-AP)

Deixar um comentário

A competência e a sutileza de Sandro Belo

Alcilene Cavalcante em 05 de julho de 2017

Executivo da Abrasel e coordenador do Festival Brasil Sabor, o mestre turismólogo, Sandro Belo, impõe competência, sutileza e organização nos projetos que executa. O Brasil Sabor no Amapá a cada ano está maior e melhor.

A gastronomia do Amapá deve muito Sandro. E onde esse executivo coloca a mão é certeza de sucesso. Resultados alcançados pela competência técnica e seriedade na execução dos trabalhos.

1 comentário »