Reportagem Jair Zemberg

Autor do crime, que era companheiro de farda da policial, está foragido. Vítima protagonizou simulação de episódio semelhante em 2014, na Praça da Bandeira, durante curso de formação de cabos da Polícia Militar.

A cabo da Polícia Militar Emile Karine de Miranda Monteiro foi morta a tiros no início da noite desse domingo (12) no bairro do Pacoval. Informações de familiares dão conta de que o autor dos disparos foi o ex-namorado dela, o soldado PM Kassio Mangas, e a motivação teria sido porque o mesmo não aceitava o fim do relacionamento.

crime, que é considerado feminicídio, ocorreu por volta da 18h22 na casa da vítima, na Avenida Rio Grande do Norte, nº 227. “Recebemos uma ligação e repassamos a informação para a viatura do Bombeiros, que foi ao local e socorreu a vítima, que estava sobre a cama, de bruços, com um tiro na cabeça, um no peito e um na coxa direita; ela foi levado ao Hospital de Emergências, mas momentos após foi a óbito”, informou a sargento Gisela, do Corpo de Bombeiros Militar (CBM/AP).

Avó da vítima, Oscarina Braga de Miranda afirmou que o autor dos disparos foi o namorado da militar. Segundo ela, após o crime, o soldado Kassio Mangas evadiu em um veículo Citroen de cor branca, de propriedade da vítima, de placas QLN 4724. A reportagem do Diário do Amapá apurou que os tiros atingiram Carini na parte de trás da cabeça, no lado direito do peito e na coxa direita.

Simulação

No dia 15 de outubro de 2014, como parte do curso de formação de cabos da Polícia Militar, a então soldado Emili Carini participou de uma simulação de ocorrência, onde ela seria assassinada pelo marido. “Trata-se de uma lastimável coincidência, porque a simulação teve basicamente o mesmo enredo, embora cenários diferentes. A trama se transforma em realidade e ela é barbaramente assassinada dessa forma”, lamentou uma vizinha da policial, que pediu para não ser identificado.