Top Five

Ouvi no rádio alguém da Caesa justificando o grave problema de falta de água em Macapá, capital do estado do Amapá, cidade banhada pelo rio Amazonas e onde ocorre o fenômeno da pororoca.

Pela justificativa, concluí, eu, a blogueira que vos escreve, que fatos totalmente inusitados e imprevisíveis aconteceram. Tão imprevisíveis, que impediram que a gestão governamental se planejasse para tais fatos.

Veja alguns dos motivos, segundo a Caesa, para estar faltando água, e as minhas observações.

A população aumentou – Ninguém nunca imaginou que uma coisa dessas pudesse acontecer.

A população desperdiça água – Que tal uma campanha educativa, naquele horário da propaganda do Governo?

E o mais imprevisível de todos.

É verão – Talvez isso nunca tenha acontecido antes.

Digno de Top five no CQC.

Ê mundão de água.
Ê mundão de água.
  • Temos de dar nome aos bois, quem deu a entrevista na radio 93.3 dando essas desculpas esdrúxulas, simplesmente achando que todos somos idiotas, foi nada mais nada menos do que o senhor José Roberto, atual presidente da CAESA, nada contra a pessoa dele, mas foi o mesmo que, como gestor acabou em todos os sentidos com o antigo IPEAP, hoje AMPREV na administração do então governador Capiberibe. Agora não me venham com a justificativa de que a forma radical como se deu essa extinção foi por conta de uma Lei imposta pelo governo federal regulamentando a finalidade da previdência dos estados, ali, naquele momento, começou o problema da saúde pública no estado do Amapá, numa próxima oportunidade, se provocado explico. Mas voltando ao caso da CAESA, quando o senhor José Roberto assumiu a empresa, ele sabia perfeitamente o que iria encontrar, e sabia também que não daria conta de resolver tais problemas, por que ele não foi colocado ali para fazê-lo, agora quem está por trás da sua nomeação, qual político? Já que aceitou a responsabilidade tem que arcar com a mesma.

  • Ta certo Eduardo, mas persiste em mim, uma pequena dúvida, sobre o verdadeiro culpado: Capi ou Pedro Alvares Cabral?

  • ÉÉÉÉGUUUUUUUUUUAAAAAAAAA!!! O GOVERNO MISERÁVEL QUE ESTÁ AÍ HÁ MAIS DE 7 ANOS NO PODER, TÁ PATENTEMENTE ACABANDO COM O AMAPÁ E TEVE TODAS, TODAS, EU DISSE TOOODDDDDAAAASSSS, AS CHANCES, PAC´S, DINHEIRO PÚBLICO À VONTADE PRA CONSERTAR E DEIXAR O AMAPÁ O ESTADO E CAPITAL MAIS LINDOS DO BRASIL, COM SANEAMENTO, EDUCAÇÃO PÚBLICA DE QUALIDADE, SAÚDE INVEJÁVEL AOS OUTROS ESTADOS E FAZER INVESTIMENTOS PARA ALAVANCAR O CRESCIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO E NÃO FEZ E AGORA ESTÃO COM A MESMA DESCULPA ESFARRAPADA, MEDÍOCRE E HIPÓCRITA DE FICAR ACUSANDO GOVERNOS ANTERIORES?????
    ÉGUA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! QUE É ISSO CARA?????
    ISSO É INFANTILIDADE TUA MEU!!! NEGAR O QUE É PATENTE AOS OLHOS DE TODO MUNDO CARA???? SÃO MAIS DE 2500 DIAS NO GOVERNO DO AMAPÁ E ESSE BANDO DE INCOMPETENTE NÃO FAZ NADA, EU DISSE NADA, PRA MELHORAR NOSSAS CONDIÇÕES DE VIDA E A CULPA AINDA É DE PEDRO ÁLVARES CABRAL???????
    SEU IIIIIIIDDDDDDDIIIIOOOOOOOOOOOOOOOOOTTTTTTTTAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!! IGNORANTE FUNCIONAL! IMBECIL! PATETA!!!!! TU GANHAS ALGO PRA DEFENDER ESSA CORJA QUE TÁ AÍ É?

  • “quando o senhor José Roberto assumiu a empresa, ele sabia perfeitamente o que iria encontrar, e sabia também que não daria conta de resolver tais problemas, por que ele não foi colocado ali para fazê-lo”. Confesso que não entendi o que o comentarista quis dizer. Se o senhor José Roberto, quem o indicou e o governador sabiam de sua incompetência, o que ele está fazendo lá?…

  • E precisa explicar alguma coisa ?
    Todo mundo sabe que o dinheiro que era para ser usado nas obras do estado são surrupiados escancaradamente……

  • No caso da CAESA, toda a população sabia que aquela empresa já estava no fundo do poço e não havia, como ainda não hà, vontade política para resolver os graves problemas que a mesma enfrenta, na realidade, o que aconteceu foi que o grupo que controlava ou controla a empresa, estava contando com uma injeção de recursos oriundos do propalado empréstimo de milhões a ser contraido pelo desgoverno Waldez, estava tudo armado para o esquema, parece que não deu certo e o pau vem quebrando na costa do senhor José Roberto, que por sua vez tem que responder pelas cagadas de uma empresa falida.
    No caso da extinção do IPEAP, a época o presidente por coincidência ou não era o senhor José Roberto, aquele Instituto de Previdência funcionava como previdência e assistência a saúde dos servidores públicos do estado, isso desde a gestão do então governador Barcellos, que por sinal funcionava muito bem, inclusive funcionou bem até certa parte do governo Capiberibe, foi aí que o governo federal sancionou uma Lei regulamentando o sistema previdenciario no país, a época da extinção o IPEAP detinha em seu caixa aproximadamente um bilhão ou mais de reais oriundos da contribuição previdenciária de 8% mês da remuneração dos servidores do estado, diga-se Executivo e Legislativo, já que Judiciário descontava 8% apenas em cima do vencimento dos seus servidores (outra cagada), foi aí que o brilhante governador Capiberibe e o presidente do IPEAP a época, resolveram sem pernsar duas vezes extinguir o IPEAP atendendo o que determinava a Lei, ocorre que milhares de servidores juntamente com seus familiares ficaram a ver navios sem assitência a saúde e começaram a afogar a saúde pública do Estado, foi nesse caso que em meu comentário antrior afirmava o início do problema da saúde pública no estado. Se na época houvesse vontade política do governo, por que não se discutiu uma contribuição extra somente para a assistência a saúde dos servidores, a despeito do que fizeram outros estados como o Piaui, forças estranhas a minha compreensão não permitiram q isso acontecesse. O resto a quem interessar possa, é só procurar o Conselho Administrativo da AMPREV, representado por servidores do Estado, o mesmo conselho detém um relatório minuncioso sobre as falcatruas ocorridos desde a época do extinto IPEAP, o atual conselho a bem pouco tempo colocou pra fora por gestão temerária o tal de Pitico já no desgoverno Waldez.

    • Prezado Eduardo

      Estou escrevendo um artigo AMPREV A IMPORTÂNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL PARA A VIDA DO SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO DO AMAPÁ: IDEOLOGIA VERSUS REALIDADE.E gostei de seus comentários, desejo colocar alguns trechos em forma de citação. Vc poderia me dizer sua formação acadêmica para eu fazer uma nota de rodapé.
      Obrigada

  • A servidora do Senado Sânzia Maia não vai mais trabalhar no gabinete do senador Papaléo Paes (PSDB-AP). O tucano anunciou nesta quinta-feira (3) que pedira a lotação da servidora em seu gabinete como um “ato humanitário”. Após a repercussão do fato, no entanto, a própria servidora teria recusado o convite.

    “Ela (Sânzia) me ligou, agradeceu o convite e disse que não queria causar um problema para mim. É uma senhora muito educada”, disse Papeléo.

    Sânzia é esposa de Agaciel Maia, ex-diretor-geral da Casa acusado de diversas irregularidades no cargo, como os atos secretos. Ele deixou o cargo depois de ser apontado como principal responsável pela edição de atos secretos no Senado. Em dois levantamentos, a administração da Casa já encontrou 979 medidas não publicadas que reajustaram salários, criaram atribuições, benefícios e nomearam apadrinhados de senadores. A nomeação de Sânzia não chegou a ser publicada no Boletim Administrativo de Pessoal.

    A decisão do senador Papaléo Paes de requisitar a servidora provocou reações no PSDB. O presidente do partido, Sérgio Guerra (PE), ligou para Papaléo e o “aconselhou” a rever a posição. “Ele (Guerra) me ligou e perguntou o que estava havendo. Ele não questionou a decisão, mas pediu para eu observar e fazer uma avaliação política disso”.

    Papaléo disse ao G1 que já cogitava rever a decisão quando recebeu a ligação da servidora. “Eu comecei a ficar preocupado por causa da pressão política, mas isso até dava para resolver. Mas aí ela me ligou e tudo se resolveu. Deus me ajudou nessa”.

  • O IPEAP, nunca deveria ter serv
    ido para assistência médica e sim para aposetadoria dos servidores.Observe o que aconteceu com INSS.Qaulquer culpa pela saida da assistencia médica do IPEAP é só perguntar para o ex-Presidente Fernado Henrique Cardoso e ao Congresso Nacional que separou o que era assistencia medica e o que é seguridade social.Só deve falar quem tem conhecimento !

  • Alberto santos, falo com conhecimento de causa, ou então vc não deve ter entendido meu comentário, portanto leia com atenção, espero que sua opinião não esteja movida por paixões políticas, o problema do INSS ao qual vc se refere, foi consequência de gestão temerária e corrupção, além do fato de o Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS deixar de cobrar os repasses legais descontados dos trabalhadores e retido pelas empresas, sejam elas públicas ou privadas. Acho que é vc quem está desprovido de conhecimento de causa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *