Projeto regional “Açaí Ação” inicia atividades no Amapá

Um total de 35 alunos e egressos da Escola Família Rural Agroextrativista do Carvão, localizada em Mazagão (sul do Amapá) participaram no período de 6 a 10 de maio, do primeiro módulo de capacitações do projeto regional “Açaí Ação”, liderado pela Embrapa e o Centro Francês de Pesquisa Agrícola para o Desenvolvimento Internacional (Cirad).

As atividades teóricas e práticas foram realizadas nas dependências da escola e em áreas de várzeas do município de Mazagão, abrangendo todo o processo do manejo dos açaizais nativos de mínimo impacto.
A engenheira agrônoma pesquisadora do Cirad, Nathalie Cialdella, explicou que o projeto “Açaí Ação” é voltado para comunidades agroextrativistas do Platô das Guianas (Guiana Francesa, os estados do Amapá e Pará, e o Suriname).

Trata-se de uma ação de transferência de tecnologias com o objetivo de dinamizar a cadeia produtiva do açaí, valorizar os recursos e o conhecimento das populações locais, desenvolver práticas agroecológicas e consolidar mercados de qualidade, por meio da construção coletiva de conhecimentos. Durante os três anos do projeto, serão temas das atividades o Manejo de Mínimo Impacto de Açaizais Nativos, os Sistemas Agroflorestais (SAFs) e as Boas Práticas de Beneficiamento do Açaí. “Desta forma, este primeiro módulo de manejo de açaizais nativos que está sendo realizado na Escola Família Rural do Carvão, também será levado a escolas famílias rurais da Guiana Francesa e do Pará”, acrescentou Cialdella, doutora em Ciências Agrárias e Desenvolvimento Sustentável.


Os participantes deste primeiro módulo no Carvão estão matriculados no segundo ano do ensino médio. Entre eles Kédia Vitória da Costa Mendes, 16 anos, residente na Ilha do Pará (Afuá/PA), nas proximidades de Macapá (AP). Ela destacou que os familiares manejam os açaizais, mas não aplicam todas as etapas do processo. “Aprendi a fazer de maneira adequada, pois precisa primeiro fazer a demarcação da área e também temos que ficar atentos para preservar cinco adultos na touceira, quatro jovens e três perfilhos. Adquirir mais conhecimentos é sempre bom, o manejo de mínimo impacto pode me beneficiar diretamente e também as nossas comunidades”, concluiu a jovem. Seu colega de turma, Vânderson Gabriel Souza Coimbra, 16 anos, residente na foz Rio Mazagão, também já conhecia os princípios do manejo de açaizais de várzea, “mas pessoalmente nunca pratiquei”.

Ele disse que agora pretende realizar integralmente o manejo de mínimo impacto, “principalmente para ajudar minha família e melhorar nosso açaizal porque precisamos melhorar a qualidade e a quantidade dos frutos e por consequência a renda da nossa família e da comunidade”.

O diretor da Escola Família do Carvão, professor Roberto Carlos Correia de Souza, afirmou que o projeto “Açaí Ação” oportuniza um bom suporte para a grade curricular da turma. “Quase 90% dos alunos são de famílias ribeirinhas e trabalham ou têm contato com o extrativismo do açaí, então esta iniciativa melhora ainda mais as práticas deles, agora com açaí manejado de maneira correta, aprendendo as boas práticas de colheita e pós-colheita e as noções de mercado”.

Monitora do projeto Bem Diverso junto a 40 famílias ribeirinhas do Afuá (PA), a bióloga Rosângela Dias Cortes, 25 anos, também participou desta capacitação. “Nos beneficia principalmente na questão do manejo de mínimo impacto, porque na Ilha do Meio muitas famílias ainda não fazem o manejo de forma adequada e agora com esse aprendizado conseguiremos repassar a técnica às comunidades”. O projeto Bem Diverso visa contribuir com a conservação da biodiversidade brasileira em paisagens de múltiplos usos, atuando nos biomas Cerrado, Caatinga e Amazônia. Outro participante egresso da escola família é o Técnico em Alimentos, Ezequiel Barbosa, 23 anos, da comunidade Jaranduba, do arquipélago do Bailique (Macapá/AP). Ele ressalta que, embora o açaí obtido de açaizais manejados do Bailique tenham conquistado a certificação FSC, ainda há comunidades precisando de acompanhamento quanto às boas práticas do manejo de mínimo impacto.

“É sempre importante trabalharmos com as comunidades o equilíbrio do manejo adequado para aumentar a produção e a manutenção da biodiversidade”.
Atuaram como facilitadores nesta capacitação a pesquisadora do Cirad, Nathalie Cialdella; e o analista Jackson Araújo dos Santos e o pesquisador Silas Mochiutti, da Embrapa Amapá. “Através das capacitações nas escolas famílias rurais, buscamos uma forma de promover o encontro de jovens extrativistas de diferentes regiões do mesmo estado. Por exemplo, no ciclo da comunidade do Carvão temos jovens também de Oiapoque, de Macoacari, do Bailique, do Afuá, da foz do Rio Mazagão, que compartilham seus conhecimentos de realidades diferentes do mesmo estado”, explicou Nathalie Cialdella.

Dulcivânia Freitas, Jornalista DRT/PB 1063-96
Núcleo de Comunicação Organizacional

Embrapa Amapá
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Macapá/AP

Telefone: + 55 (96) 3203-0287 / 3203-0200
www.embrapa.br/amapa I fb.com/embrapa I  twitter.com/embrapa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *