O deputado Ruy Smith, presidente da Comissão de Transporte e Obras Públicas da Assembléia Legislativa diz que elucidará a questão que envolve a corrosão dos tubos de uma adutora da CAESA, a qual o governo atual aponta como a principal causadora de falta de água na cidade de Macapá, alegando que a estrutura é feita em tubos de aço de má qualidade, assentados pelos governos anteriores, que “enferrujaram” em tempo recorde.

De um lado, o próprio governador Waldez e sua assessoria de comunicação têm propalado que o problema da falta generalizada de água na cidade tem origem na má qualidade dos materiais empregados em gestões anteriores; de outro lado, o deputado Camilo Capiberibe aponta a má gestão do governo atual e a instrumentalização política da CAESA como a principal fonte do sumiço do líquido das torneiras dos macapaenses.

Ruy Smith, que é engenheiro mecânico, argumentando que a ciência não admite sofismas, diz que encontrará as razões pelas quais houve o colapso da adutora, pivô do embate. Segundo o próprio, é difícil que os tubos da adutora tenham falhado por corrosão devido à má qualidade do aço empregado. É comum o uso de tubos de aço nas adutoras; esse material possui vantagens e desvantagens em relação aos demais, como ferro fundido, concreto e outros, e sua escolha depende dos dados técnicos e econômicos do projeto, mas não há qualquer base científica na alegação de que a adutora falhou simplesmente porque o aço era de má qualidade, argumenta o engenheiro.

Explicando que a corrosão da adutora pode ter sido causada por diversos fatores, se é que o problema realmente existe, Smith diz que só uma perícia técnica informará a real causa da corrosão. Pode ser corrosão que se propagou do interior para o exterior das paredes dos tubos, e isso pode ser ocasionado por conjugação de fenômenos, como corrosão com erosão, cavitação ou turbulência da água, e esses fenômenos são pouco influenciados pelos tipos de materiais comumente usados; se o contrário, pode ter havido falha ou ausência da proteção catódica, necessária em adutoras de aço, o que se verifica na análise dos anodos de sacrifício que são instalados e, ainda, se for esse o método de proteção contra a corrosão, pela presença ou não de corrente contínua nos padrões do projeto.De todo modo, apenas a perícia técnica dirá o que queremos saber, e tudo o mais é especulação; sequer sabemos se realmente há algum problema com a citada adutora, comenta o presidente da CTO.

Também integrante da diminuta bancada de oposição ao governo,o deputado  não vê incompatibilidade entre a posição política assumida e a tarefa que pretende cumprir. Vamos sempre exercitar a engenharia na Comissão de Transportes e Obras, como temos feito até então, mas obviamente com a postura de fiscais que somos. Nessa empreitada, para afastar qualquer dúvida da lisura da perícia, vamos convidar técnicos representantes do CREA, da Associação de engenheiros mecânicos, do Ministério Público Estadual e da Politec. Já que o atual governo diz não ter culpa no cartório, que ele busque fornecer ou facilitar o acesso a todos os elementos de análise, como projeto, dado técnicos, corpos de prova e apoio operacional da CAESA, finaliza Smith.