A Prefeitura de Macapá iniciou ontem (18 de janeiro), no Distrito do Coração e região, mais um arrastão da faz da Campanha “Prefeitura Contra Dengue”.

Se antecipando à possibilidade de um aumento dos casos de dengue com a chegada da estação de chuvas, agentes de saúde e servidores da secretaria fazem visitas de casa em casa para orientar e verificar criadouros do mosquito da dengue.

A prefeita em exercício Helena Guerra, destacou também que o Poder Público está fazendo a sua parte, mas é necessário que o cidadão faça também a sua parte. “Nossas ações serão realizadas em toda a cidade. Mas o cidadão tem que fazer a parte dele também. Colocar o lixo para fora, não deixar recipientes que possam acumular água expostos ao relento e o não esquecer de manter as calhas limpas. Sem estas ações fica difícil controlar o mosquito da dengue”, ressaltou Helena Guerra.

De acordo com a CVS de janeiro até dezembro  de 2010, foram notificados 2513 casos de dengue em Macapá. Por isso, segundo o secretário de saúde, Eduardo Monteiro, que os trabalho de combate e conscientização precisam ser permanentes. “Temos certeza de que a população vai participar e juntos vamos evitar a proliferação do mosquito da dengue. O trabalho da prefeitura é para que a cidade tenha o menor número possível de casos de dengue”, finalizou o secretário.

Nesta quarta-feira (19), a prefeita Helena Guerra sanciona a lei º 1.845 /2011, que institui no âmbito do município de Macapá o programa de controle da dengue dando responsabilidades aos munícipes, estabelecimentos públicos, privados, proprietários, posseiros ou locatários, sendo obrigados a adotar medidas necessárias à manutenção de seus imóveis limpos, sem acúmulo de objetos e materiais que se prestem a servir de criadouros, evitando condições que propiciem a instalação e proliferação dos vetores causadores da dengue, ou seja, dos mosquitos da dengue.

Para a aplicação de lei consideram-se criadouros todos os objetos, recipientes, equipamentos, utensílios, dispositivos, vasilhames, pneumático, artefatos, acessórios, sucatas, itens arquitetônicos ou construtivos, inclusive os hidráulicos, plantas e outros que, constituídos por qualquer tipo de materiais que sirvam para acúmulo de água.