A Polícia Federal (PF), em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF), no Amapá, deflagrou na manhã desta quinta-feira (12), em Macapá e Santana, a operação ‘Fast Food’, um desdobramento da operação Estrada Real, deflagrada pela PF em setembro do ano passado, quando foi apurada a prática de extração ilegal de ouro em garimpo localizado no município de Tartarugalzinho/AP. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão.

O objeto da Fast Food é investigar possíveis condutas indevidas praticadas por servidores da Agência Nacional de Mineração (antigo Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM/AP), conjuntamente com empresários. Há indícios de pagamento de vantagens ilícitas para facilitação de trâmites junto ao citado órgão público, que é responsável por emitir licenças na área da mineração.

Segundo a PF, o nome da operação é uma alusão a encontros apurados na investigação, nos quais os envolvidos iam a restaurantes para – possivelmente – tratarem de assuntos escusos. Os encontros se davam em horários incomuns e de forma rápida, diferente do que ocorre habitualmente nesses locais de venda de alimentos. Isso pode indicar uma tentativa de não levantar suspeitas quando dessas reuniões.

A PF apurou ainda indícios de que terceiros se serviam de intermediários entre empresários e servidores na distribuição de propina. Assim, se comprovados os fatos em apuração, os envolvidos poderão responder pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e organização criminosa.

Ascom da Polícia Federal