A Polícia Federal deflagrou nessa manhã de quarta-feira, 29, a Operação Uranita II para investigar associação criminosa voltada à extração e comercialização ilegal de minério radioativo no estado do Amapá.
Policiais federais cumpriram um mandado de prisão preventiva e dois mandados
de busca e apreensão nas cidades de Macapá/AP e Santana/AP. Os mandados de
busca foram realizados com o apoio da Comissão Nacional de Energia Nuclear
(CNEN).


A ação é um desdobramento da Operação Uranita, desencadeada na semana
passada (21/11), que investigou a comercialização, via o aplicativo WhatsApp, de
material radioativo por pessoas não autorizadas por lei.


Diante das informações obtidas na primeira fase da operação, as ações de hoje
buscam alcançar os locais de armazenamento do mineral, bem como o principal
suspeito de coordenar a mercancia ilegal.
Os investigados responderão, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes
de associação criminosa e receptação. Se condenados, as penas podem chegar a
07 anos de prisão.
Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá
[email protected] | www.pf.gov.br
(96) 3213-7569