PED do PT e disputa por cargos na Prefeitura de Santana deram em socos e polícia, na terça-feira. O vereador Zé Roberto, líder do governo Nogueira na Câmara de Vereadores, deu dois socos em Heverson Castro, além de ofender o presidente do Diretório Municipal de Santana, Amiraldo. Os dois registraram queixa na polícia, por agressão física e verbal.

Veja nota do Heverson Castro.

Nota pública à imprensa e a militância petista

Sobre a agressão física do vereador Zé Roberto à minha pessoa e sua entrevista em uma rádio local hoje.

Quero me pronunciar sobre a entrevista cedida pelo vereador Zé Roberto, que é membro da executiva do PT de Santana, hoje pela manhã, em um programa local, da rádio 92,3 FM. Nessa entrevista o senhor Zé Roberto tentou justificar a sua agressão física à mim, como algo que é fruto de divergências políticas, na verdade tentou explicar algo injustificável. No mesmo programa ele me agrediu moralmente, colocando questões que só dizem respeito a minha vida pessoal e familiar. Fato lamentável vindo de um representante do povo e que jurou defender nossas leis.

O fato da agressão física, que aconteceu dentro da sede do PT, logo depois de uma reunião da executiva municipal, da qual não faço parte, apenas sou membro do Diretório Municipal, se deu por conta de assuntos referentes a composição do governo municipal e o cumprimento de uma resolução aprovada pelo PT, que estava sendo descumprida, algo que envolvia o vereador citado e agressor.

Vejo que o desequilíbrio emocional do parlamentar não condiz com o que nós sempre defendemos dentro do PT. Nosso Programa Partidário, Estatuto e Código de Ética não compactuam com posturas agressivas e autoritárias.

Sempre iremos combater qualquer tipo de violência, seja física, social ou psicológica. Aprendemos a resolver nossas divergências internas no debate político fraterno e solidário, sem recorrer a violência física ou verbal, algo que o vereador Zé Roberto não respeita dentro das fileiras do partido, o que só mancha a nossa história de partido combatente da repressão e da ditadura, defensor da democracia e das liberdades democráticas e individuais.

Fui agredido fisicamente e verbalmente pelo vereador Zé Roberto. Não revidei, e fiz o que aprendi com os ensinamentos filosóficos Gandhianos, pois a maior arma para combater a violência é a não-violência. A nossa arma é o pacifismo, e se for possível dar a outra face, como nós ensinou nosso mestre sempre darei sem revidar com violência.

Tenho certeza que a história de luta do PT e a minha história de vida é muito maior do que qualquer destempero ou postura isolada de um parlamentar e filiado do PT.

Não guardo ódio e rancor em meu coração, mas a partir do momento que as questões políticas deixam de ser divergências e disputas internas, passando a ser alvo de violência física e verbal, tenho certeza que devo procurar meus direitos constitucionais de cidadão, e isso estou fazendo.

Isso eu já faço cotidianamente, luto para construir uma sociedade mais justa e igualitária. É lutando e não mudando de lado, não se rendendo às benesses do poder que um dia iremos construir um mundo melhor, sem violência, com respeito, paz e socialista.

Endurecer sem perder a ternura jamais!” (Che Guevara)

Heverson Castro – membro do Diretório Municipal do PT de Santana.

Nota do Repiquete: O blog deixa o espaço a disposição do vereador Zé Roberto, se quiser também mandar sua versão para a agressão.