Por Diário do Amapá

Partido decidiu não lançar candidato próprio ao Senado e poderá concorrer nas eleições de outubro com chapa puro-sangue para a Assembleia Legislativa e Câmara Federal.
O Partido Democrático Trabalhista (PDT) realizou na manhã deste sábado na sede da Fundação Leonel Brizola, no bairro do Trem, em Macapá, a sua convenção para definir os pré-candidatos a governador e deputados estaduais e federais. O governador Waldez Góes foi homologado como pré-candidato à reeleição e foram definidos 19 nomes para a Câmara Federal e 21 para a Assembleia Legislativa.

O partido decidiu que não lançará candidatura ao Senado e também deixou em aberto a vaga do vice, que será escolhido após negociações com os partidos que fazem parte do arco de alianças do Palácio do Setentrião. Entrevistado com exclusividade, ao vivo, pelo repórter Rodrigo Silva, Waldez Góes falou sobre a convenção e as expectativas do partido para as eleições de outubro deste ano.

“A partir de agora eu tenho a responsabilidade dobrada; até hoje o meu foco era governar, mas daqui pra frente eu também vou ter a responsabilidade de coordenar e construir o processo da frente política onde sairei candidato à reeleição, como também construir o plano de governo para 2019/2022. Mas nossa experiência, nossa vivência na vida publica me dá tranqüilidade. Quero assegurar ao meu partido e aos demais 15 partidos aliados, na realidade são 12 partidos que compõem a nossa base, mas estamos dialogando com outros três partidos que têm interesse e disposição de compor com a gente”, disse Waldez.

Há uma grande disputa entre os partidos da base política do governo para as duas vagas de senador e para o cargo de vice-governador. Até agora especula-se cinco pré-candidaturas ao Senado, entre as quais duas são do MDB: o ex-senador Gilvam Borges e a ex-deputada federal Fátima Pelaes. Também estão no páreo o empresário Jaime Nunes, o ex-deputado estadual Lucas Barreto e o Pastor Guaracy, que inclusive já teve a sua pré-candidatura homologada pelo PTC.

A reportagem também conseguiu apurar que nos bastidores se cogita a possibilidade de Jaime Nunes ser o vice da chapa de Waldez. Quem também colocou o nome à disposição para a vaga foi a deputada estadual Luciana Gurgel (PR). No então o governador disse que os nomes serão decididos pelos partidos que farão parte do arco de alianças. Ele também confirmou que o PDT, por decisão da convenção, deverá sair com chapa puro-sangue para as eleições proporcionais, mas ponderou que essa decisão não é definitiva e tudo vai depender das tratativas com os partidos políticos.

Com a definição de Waldez pelo PDT, já são até o momento cinco os pré-candidatos ao governo, porque também já tiveram suas pré-candidaturas lançadas o senador João Capiberibe (PSB), Davi Alcolumbre (DEM), professor Gianfranco Gusmão (PSTU) e professor Cirilo (PSL). O PT já confirmou que não terá candidato ao governo, mas está costurando possível aliança com o PDT e o PSB.