Em reuniões realizadas nos dias 23 de agosto e 03 de setembro de 2010, os professores do Colegiado do Curso de Ciências Ambientais e representação discente debateram sobre a reestruturação acadêmica em curso na UNIFAP, muito embora, até a presente data, a Coordenação do Curso não tenha recebido qualquer comunicação oficial sobre o assunto.

O Curso de Graduação em Ciências Ambientais oportuniza a formação interdisciplinar de um profissional em busca de novos paradigmas, sem desconsiderar os paradigmas dominantes, capazes de estruturar conhecimentos a partir de experiências conectadas.

O Curso de Graduação em Ciências Ambientais foi concebido na forma de um curso interdisciplinar, encontrando sustentação no fato de que a complexidade dos problemas gerados pela conjugação entre dinâmica de desenvolvimento e meio ambiente impede o equacionamento isolado dos problemas quando se busca a sua compreensão ou solução, remetendo necessariamente à abordagem de contextos mais amplos e integrados.

Desta maneira a matriz curricular integrante do projeto político pedagógico do curso transborda a visão disciplinar que possui a maioria dos cursos de graduação e, dentro desse contexto, incompatibiliza-se com a formatação dos departamentos, até aqui apresentada.

Com isso, da nova estrutura acadêmica, divulgada no site da UNIFAP, o Curso de Ciências Ambientais não se enquadra em nenhuma delas, uma vez que o curso possui um perfil interdisciplinar, conforme já destacado.

Em face da proposta inovadora a que o curso se propõe, o Colegiado deliberou por unanimidade que não integrará quaisquer das novas estruturas acadêmicas recentemente criadas, e reivindica a criação do Departamento de Desenvolvimento e Meio Ambiente encaminhando a proposta para apreciação da comunidade acadêmica, bem como às instâncias competentes.

Entende-se que desta forma o projeto de reestruturação acadêmica poderá ser aprimorado, de modo a que possa cumprir a finalidade de assimilar o novo perfil que possui a UNIFAP, o qual já não é mais o mesmo daquele existente no período em que foram elaborados o estatuto e o regimento da instituição. As diretrizes norteadoras do projeto de reestruturação acadêmica além de ter que observar as normas estatutárias e regimentais vigentes, deverá estar aberto a acolher o novo, uma vez que a Universidade precisa cumprir o papel de ser o lócus da revolução social em consonância com as dinâmicas agendas impostas por um mundo em constante transformação.

Macapá, 03 de setembro de 2010.

Colegiado do Curso de Ciências Ambientais