Macapá: um filme moderno na TV Colorado, aqui o progresso vem de carroça

Mariléa Maciel

O sonho de voltar no tempo com certeza faz parte do sonho de todo mundo. Imagine voltar a conviver com pessoas que já se foram, brincar com amigos de infância, andar em lugares que não existem mais, consertar o que fizemos de errado, fazer o que não tivemos coragem e outros devaneios que nos fazem sentar, pensar, falar  e escrever sobre mais o passado. Macapá antiga é retratada por pessoas como Fernando Canto, Renivaldo Costa, Alcinéa, Alcilene, e seus colaboradores e muitos outros que conseguem a proeza de lembrar e nos contar com simples paixão de amapaense da beira do rio.

O que ninguém esperava é que nosso saudosismo, de quem escreve e quem lê, iria ser tão real e próximo, mas em vez de ser um alegre sonho, é um triste pesadelo. O tempo que voltou não foi os de Laguinho e Favela ainda remotos, de campo do América, de Zagury nos fins de tarde, de nossos ilustres pioneiros que morreram e das tertúlias e desfiles na FAB. Voltamos no tempo de Macapá território, terra distante de governadores biônicos, de eleições indiretas, “…Macapá vai brilhar, é o sol que acabou de chegar…”, e descaso total, quando internet não era nem sonho e as roupas eram lavadas na beira do rio. Onde o Poço do Mato servia pra todo mundo e era comum atravessar os campos e caminhos com latas de água. Tempo em que todo mundo tinha que ter lamparinha em casa e querosene era comprado em qualquer baiúca.

Voltamos também num tempo de Amapá já Estado, com governador, deputados e senadores eleitos, na década de 90, quando havia racionamento de energia o dia inteiro e tínhamos que esperar suados na sala, iluminados por um bico de luz que vinha ilegalmente da rua de trás, onde tinha energia, sem que a CEA pudesse desconfiar, onde desse único fio tinha que ser ligado um ventilador, uma televisão e a lâmpada. Todos com uma firme esperança de que quando as usinas russas chegassem nunca mais iria faltar energia, que o projeto da Caesa iria nos tirar da dureza de carregar água e tomar banho “theco”.

Hoje o Poço do Mato é monumento e personagem de histórias, o rio Amazonas ficou mais distante e lamparina é objeto de decoração de saudosistas. Mas continuamos com as mesmas dificuldades de antigamente, sem água, luz e já com internet e telefone celular. Mas esse celular tem dias que não funciona, independente da operadora, e a internet disputa corrida com uma tartaruga idosa. Água é raridade, mesmo no centro da cidade, próximo da Caesa e há poucos minutos do rio Amazonas. Quando sai da torneira é água suja e imprópria pra beber. Energia é pior que na época do racionamento, pelo menos a gente sabia quando ia faltar.

Temos mais de cinco canais de TV aberta com jornalismo local, mais ou menos a mesma quantidade de rádios e jornais também com equipes de jornalismo nas ruas e uma infinidade de sites e blogs com informações atualizadas quando a Banda Lenta deixa, mas ninguém explica o que está acontecendo. O futuro está cada vez mais distante e o passado sofrido cada vez mais perto. É como um filme antigo visto numa TV de tela plana com imagem 3D, ou um de última geração, com recursos ultra-modernos assistido numa televisão Colorado, preto e branco, sem controle e chuvisco na tela. Uma mistura de real e imaginário, passado e presente, futuro e retrocesso. É assim que vivemos em Macapá, terra da contradição, onde o progresso é atropelado por uma carroça transportando baldes de água e lamparinas à querosene.

  • Esse governo,não fez uma obra.Fez alguns remendos em 10 escolas e construiu arquibancadas em meia duzia das tais “arenas”,por cima ele acabou com:o zerão,as escolas Walquiria Lima e Candido Portinario,o aeroporto,o hotel da cidade do amapá,o trapiche,o bondinho,as áreas de ressacas,etc..

    • É… quando eu cheguei aqui eu até pensei que tava chegando na Belém de 30 e poucos anos atrás pois o cenário era esse descrito pela autora do texto, mas lá a história é outra e o povo tem outra condição de vida, reputo que não merecemos isso e que não podemos continuar a padecer com essa situação caótica que ESSE GOVERNO QUE ESTÁ AÍ tá deixando o Amapá que é lindo e maravilhoso e que poderia ser sim nossa Ilha da Fantasia, no bom sentido, e está sendo esse pesadelo descrito pela amiga que compara drasticamente o efêmero passado já tão próximo de retornar com o longinquo futuro aparentemente inatingivel por nós…
      Deus Pai? nos socorra!!!

  • Esse Governo em Acção midiático, espetaculoso e pomposo acabou com tudo que é nosso rapaz!!! Em 2008 recebeu do Governo Federal quase 2 bilhões de reais para todo o tipo de obra pública no nosso Estado e gerou quase 4 bilhões de reais de orçamento próprio e o Estado está falido… sem saneamento básico, sem fornecimento de água e de energia dignos para a população (nós todos), sistema de saúde precário (onde já se viu num Estado como o nosso ter só um mísero hospital geral, um infantil e uma maternidade públicos???? para uma população que com certeza já ultrapassa em todo Amapá seus 700 mil habitantes; tem cidade em São Paulo que com muito menos habitantes tem 7, 8 hopsitais públicos a sua disposição).
    O vizinho Pará com mais de 6 milhões de habitantes em 2008 recebeu do Governo Federal quase 4 bilhões de reais (olha só a diferença na relação habitantes/reais recebidos em relação ao Ampaá…)o que quer dizer proporcionalmente muito mais se recebeu aqui e as cidades a a Capital, Macapá, tá só sendo maquiada com muito asfalto e o mais importante que é o saneamento (esgotamento sanitário com construção de galerias pluviais) não é feito entre diversas coisas!!!
    Enfim vivemos diante de um palco trágico em que nós é que vamos nos lascar mesmo, enquanto essa corja toda de góes (incompetentes e espetaculosos), sarney ratazana-mor e “aliados” corruptos safados politicos estiverem administrando isso aqui caminharemos mais rápido do que já temos caminhado para a destruição… (olha os roubos, assaltos, tráfico de drogas crescente, prostituição infantil etc crescendo entre nós…)
    Gente? vamos socorrer nosso Amapá!!!

  • Mariléia excelente artigo. Você conseguiu descrever com perfeição o retrocesso que vivemos em nossa Macapá. Pensemos: Se em Macapá, a capital do Estado a coisa está preta, farta tudo, imagina nos outros municíios? Vejo uma pequena diferença do passado de ontem para o de hoje: antes o povo votava por paixão, hoje por um pedaço de pão, um kilo de feijão e por aí vai e quem deveria fiscalizar a compra de voto que ocorre mesmo antes do período de eleição não faz. Nuvens mais escuras ameaçam continuar rondando nossos céus. Quem poderá nos defender? Só vejo uma saída: Conseguirmos avisar o BIN LADEM de que no Brasil, ali em Brasília temos duas torres gêmeas. O resto será por conta dele.

  • È bom lembrar que tudo o que vcs estão falando,vem dá falta de planejamento, não só desse governo, mas de todos que passaram, estamos colhendo aquilo que plantamos, um governo não é culpado por todas as dívidas da CEA.CAESA,ETC… Este pelo menos Construiu 3 SUPERFACIL,+ de 10 escolas, asfaltou a BR 156 até o Amapá, Vários concursos publicos, asfaltou o dobro que todos os outros governos juntos,etc.. Concordo que poderia estar melhor, mas….

  • Mesmo com essa riqueza de detalhes ainda vai aparecer um qualquer da harmonia e dizer coisas tipo “Mas, no tempo do capiroto era pior, etc, etc…”. O que ninguém entende, mesmo da harmonia, é que como as coisas podem estar piores já que essa gentalha não tem oposição que lhes interponha o caminho? Como podemos estar passando por estas mesmas dificuldades dantanho, que já considerávamos estampadas nos livros de história amapaense? Que legado aquelas dificuldades deixaram nessa geração que ora habita as hostes palacianas? A resposta mais óbvia é que já que são coisas do passado que voltam a nos atazanar nada mais natural que isso seja orquestrado por figuras jurássicas, tipo o presidente do senado lá em Brasília e suas crias aqui do outro lado do Rio Amazonas… E nós, como ficamos?… Passando sem água, sem luz, sem saúde, sem educação, mas com muita praça, muita arena, muito lugar bonito, muitos casamentos comunitários… Com a aproximação das eleições, nada indica que teremos paz e sossego… Vai todo mundo votar nos mesmos que estão aí…

  • Daqui pra frente não vote em candidato de família grande. Os goes monopolizam quase tudo nos negócios do estado. Onde tem dinheiro público, lá estão eles. Não é a toa que muitos dessa família tem empreendimentos principalmente na área de construção civil. Se o Brasil fosse sério, o ministério publico faria uma devassa e saberiam que boa parte dessa familia ficou milionária com empresas criadas neste governo. Como diz a musica de titãs, familia, familia, papai, mamãe, titia. Enquanto isso amargamos com a falta de água, segurança, energia, falta de transporte publico descente, posto de saúde precário, falta de investimento na educação, falta de saneamento, falta de geração de emprego, crescimento de favelas, morte no trânsito, aumento de consumo de droga, aumento da população carcerária sobretudo de jovens, falta de hospitais, corrupção de toda ordem, gastos desnecessários como a beija-flor, rombo de 200 milhões na educação, rombo de 40 milhões da saúde, instituição publica enfraquecida como o TRE, Ministério Publico, e tanto mais para lembrá-los de que ninguém esqueceu deste governo como sendo o mais atrelado aos seus proprios interesses pessoais, nada mais. De resto tudo não passa de papo furado, conversa pra boi dormir.

  • Terra do já teve.Em breve a pequena produção agrícola será transportada de bicicleta já que o governo não tem dinheiro para contratar transporte para trazer os agricultores separados da produção.Marileli,você lembra quando os nossos amigos agricultores transportavam a farinha do Curiaú e do Coração,era de bicicleta.

  • Caracas…
    Ufa… deixa eu respirar…
    Realmente.. Macapá está acabada… eles (os góes) acabaram com a jóia da amazonia….

    Gente… apenas reze…. pois as eleições estão ai… e eles (Os góes) cada um ja ta apoiando um partido… Praticamente não temos pra onde correr!

  • Gostaria só de dizer que lamento profundamente a situação em que está…….. TUDO!!
    Tenho 70 anos, sou Potugues estive em MACAPÀ há
    45 ANOS e vltei lá este ano! só me causa uma palavra
    TRISTEZA!!!!!!

  • Gostaria de investir o (pouco) dinheiro que tenho amealhado, nos meus 70 anos, no Brasil, em Amapá, ou macapá ou aínda e Oyapoque, onde fui feliz há cerca de 40 anos.Eestve aí este ano , as não vi nada de interese se alguém tem sugestões,pra que me seja possível ir até essa região e montar um espaço de diversão, noturna (de preferência) deve contactar-me para: RUI PEDRO LIBÒRIO F. COSTA–Rua comandante joão paiva faria l. brandão–523-A
    GUIMARÃES COD. 4835-175 PORTUGAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *