O livro-reportagem “Inquérito 681 – Operação Mãos Limpas: os bastidores da investigação que transformou o cenário da política do Amapá” conquistou a edição regional do Expocom 2017 – Exposição de Projetos Experimentais, que ocorreu em Manaus (AM), entre os dias 24 e 26 de maio. A disputa premia os melhores trabalhos produzidos em jornalismo e comunicação das instituições de ensino superior da região Norte.

Produzido como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) pelo egresso Abinoan Santiago, o livro foi um dos representantes do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Amapá (Unifap) na edição do concurso neste ano. É a quarta vez seguida que o curso tem produtos premiados.

Neste ano, o livro Inquérito 681 – Operação Mãos Limpas foi o único produto do Amapá a receber o prêmio. A orientação do livro teve a supervisão do professor Antônio Sardinha.

Como vencedor na modalidade livro-reportagem, o trabalho é finalista da etapa nacional do Prêmio Expocom. A premiação acontecerá em setembro, durante a realização do 40º Congresso Nacional de Ciências da Comunicação, em Curitiba (PR).

O livro

O livro-reportagem foi produzido ao longo de seis meses e narra os bastidores que antecederam a operação Mãos Limpas, o dia da ação da Polícia Federal (PF) no Amapá, em 10 de setembro de 2010, e os desdobramentos nas eleições e no poder judiciário estadual.

O caso ainda é o maior escândalo de corrupção do estado, envolvendo mais de 600 agentes federais e da Receita Federal. O material traz revelações inéditas do delegado que comandou o caso, documentações nunca reveladas que culminaram na operação e colhidas ao longo do processo, assim como entrevistas com atores ligados ao caso.

Para Abinoan Santiago, mestrando em Jornalismo na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG-PR) e egresso do Curso de Jornalismo da Unifap, a premiação brinda o esforço empenhado ao longo da elaboração do livro, previsto para ser publicado ainda 2017.

“O troféu é resultado de incansáveis meses debruçados sobre documentos, insistência em conseguir entrevistas de pessoas envolvidas no caso e de técnicas de reportagem teorizadas no curso de Jornalismo. Além disso, o livro vem com esse papel de preencher uma lacuna deixada pela imprensa do Amapá na cobertura da operação Mãos Limpas, como resultado do poder político e econômico sobre as redações, à época da operação”, comentou.