• Eu e minha família através desse, queremos expressar aqui nossa dor, pela perda no dia 18/08/2011 de nosso ente querido, um belo rapaz de apenas 18 anos, passamos horas de horror no pronto socorro, pois chegamos com nosso querido com muita dificuldade pra respirar, e no nosso carro, não tinha maca, nem cadeira de roda, nem nada parecido para tira-lo do carro, gritamos, buzinavamos, choravamos, imploravamos, mas nenhum profissional dava a minima para nosso irmão que estava morrendo e para nossa dor, um paciente que esperava atendimento que veio tirar-lo do carro, pois era eu e minha mãe e não conseguiamos carrega-lo, depois que tiraram ele do carro foi outra dor, outra gritaria para que alguém atendesse ele, não tinha oxigênio, NADA! o médico só olhou pra cara dele e mandou a enfermeira leva-lo para o oxigenio, acharam um enfim muito precário, não tinha o antibiotico que ele receitou lá, ficamos segurando ele para que tomasse oxigênio, em volta dele só tinha estagiários de técnico em enfermagem, a pressão dele ficou altissima, e nós desesperados, queriamos tira-lo de lá, tentar salva-lo, leva-lo para o são camilo, mas não tinha ambulância, e o bombeiro não faz esse serviço, o samu colocou mil dificuldades, enfim não tinham médicos, até que meu pai chegou no hospital, e começou a gritar, a chutar, ai então apareceram médicos, mas ai ele teve uma parada respiratória, reanimaram e levaram para o semiintensivo, porque não levaram quando chegamos? ele começou a perder sangue, precisava da UTI, mas não tinha vaga, quando enfim retiram um paciente que apresentava melhoras, já era tarde, meu irmão teve 7 paradas cardiacas, e faleceu… com apenas 18 anos, segundo os médicos foi uma pneumonia, mas ele perdia sangue, acreditamos que era a dengue hemorragica, mas eles nunca dizem o que É de fato, a imprudência, descaso, precariedade com a saúde é demais, um dia antes da morte de meu irmão fomos ao pronto socorro, e o médico que nem olha direito para nossas caras, disse que não era nada sério, que era coisa de criança que não queria ir pra escola, medicou e mandou pra casa e no outro dia aconteceu o falecimento nas condições citadas acima do meu irmão.
    QUANTAS PESSOAS MAIS TERÃO QUE MORRER, PASSAR TUDO QUE PASSAMOS ATÉ QUE A SAÚDE DE NOSSO ESTADO MELHORE?
    SE FOR PRA CONTINUAR DO JEITO QUE TÁ É MELHOR ESPERAR A MORTE EM CASA.

    NA DOR,
    LUCILA NETA, FAMILIARES E AMIGOS DE RICHARLISON CRUZ FILHO, QUE PARTIU CEDO DEMAIS, AOS 18 ANOS, NO DIA EM QUE TINHA UMA ENTREVISTA DE EMPREGO.

    • Lucila, minha irmã deu entrada no pronto socorro no dia 10/08/2010, com infecção urinária e inicio de pneumonia, deixaram-na em uma maca por falta de leito, os médicos olhavam e não faziam nada, depois de muita insistência um deles mandou aplicar uma injeção, dizendo que era calmante, porque ela estava falando (achava que era delírio da dor, ele nem perguntou se ela estava com dor), mas antes meus sobrinhos comunicaram que ela era esquizofrênica e que sempre falava sozinha, porém não consideraram o que meus sobrinhos disseram. Resultado, ela foi parando lentamente de falar, os filhos pensaram que era do remédio, mas foi quando seu braço caiu fora da maca que eles perceberam que ela estava fria e morta. Isso tudo foi em meia hora, ela tinha 68 anos e teria que ter prioridade no atendimento. E mais uma vez houve falha profissional e descaso do poder público.
      Sabemos que não podemos abandonar e nem maltratar as crianças, os idosos ou quem quer que seja, pois a lei pune, mas o que acontece nos hospitais (e não é só no público não, nos particulares se vacila também) nunca há uma punição e principalmente fiscalização no atendimento desses setores.
      Quando ela fez um mês de falecida 10 de setembro de 2010, prenderam a turma que sucateou o dinheiro publicou, incluindo o dinheiro da saúde. Deus não deixou impune.

      • Hoje estive no São Camilo e percebir que o caos também está por lá, lá o problema é recurso humano, falta profsissionais, a demanda é grande para o número insuficiente de enfermeiros, eles estão investindo em arquitetura, mas o principal deixa a desejar, um número insuficiente de enfermeiros, e os médicos plantonistas não estão nem ai para os pacientes, nem olham direito em nossa cara, até mesmo nós leigos sabemos a gravidade de certos sintomas e doenças, mas eles não estão nem ai, estão desmotivados, descompromissados, não fazem o minimo de esfoço para descobrir e tentar solucionar qualquer problema que seja, pra eles não interessa se é urgente ou não, tudo é indiferente, tem preguiça até mesmo de fazer solicitação de exames…

  • A cada dia q passar a responsabilidade e capacidade das meninas do Extra…com a participação importantíssima de Gustavo Barbosa vai crescendo e melhorando as edições do Jornal extra amapá…esse jornal é 1000!!!

  • Admiro a persistência das meninas. Um ótimo exemplo de trabalhadoras que lutam seu espaço e respeito profissional. Quando a Andréa passa mensagem dizendo que jornal tá na banca,bate logo a curiosidade pra ir à banca comprar.Não se acomodam em cargos e estão aí, trabalhando, conquistando leitores e dando informações coerentes e sem apelos. Parabéns, queridas!!!Mariléia Maciel

  • O sistema de saúde está um caos, piora a cada dia. O MP, a justiça, a OAB, a AL, a sociedade precisa fazer alguma coisa, porque para o governo tá tudo bem.

  • A COISA TÁ FEIA NO SETOR DE CONSULTA DO HCAL A TROCA QUE O EX SECRETARIO FEZ FOI UM VERDADEIRO ABSURDO E PARECE QUE O ATUAL SECRETARIO VAI CAIR NO MESMO ERRO DE NOVO MENINAS NOVAS SEM EXPERIENCIA NO SETOR ISSO É UMA VERGONHA.

Deixe uma resposta para Paulo Couto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *