O governo do Estado, bancada federal e Caixa Econômica criaram uma comissão para evitar que R$ 57 milhões de investimento do governo federal no Estado sejam devolvidos. A devolução obedece a uma Lei assinada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que determina que até a data de 30 de abril deste ano, os estados brasileiros perdem o suporte orçamentário que não foram processados. Os técnicos têm até a próxima semana para sanear pendências deixadas pela gestão anterior.

Na noite desta segunda-feira, 18, representantes das secretarias do governo reuniram com o governador Camilo Capiberibe e com a superintendente da Caixa Econômica Federal (CEF), Celeste Teixeira, para definirem obras prioritárias, onde a comissão se empenhará para garantir os recursos federais até o final deste mês.

Para o governador Camilo Capiberibe, todas as obras são importantes, mas devido o curto prazo, o governo não tem condições de se empenhar por todas elas. “Estamos fazendo o possível. É um mutirão para que esses recursos não voltem porque vai ser uma perda muito grande para o Amapá. Assumimos o compromisso de não deixar que isso aconteça e diminuir o desgaste da credibilidade do Estado junto ao governo federal”, disse o governador.

São 30 obras que tiveram o processo aberto entre os anos de 2007 a 2009, que não foram iniciadas, sendo que quatro tiveram valores desembolsados, vinte estão com pendências na Cláusula Suspensiva e 10 em situação normal. São obras de revitalização, construção de museu, orla, rodovia, terminal fluvial, módulo de praça, quadras esportivas, estádio, salas de aula, aquisição de máquinas agrícolas, praças, feiras, entorno de pontos turísticos e melhoria no abastecimento de água. As obras beneficiam moradores dos municípios de Macapá, Santana, Laranjal e Vitória do Jari, Mazagão, Amapá, Oiapoque e Porto Grande

Na reunião desta segunda-feira ficou definido que entre as prioridades estão as obras de entorno do Aeroporto de Macapá, revitalização do píer da orla do Santa Inês, entorno do Monumento Marco Zero do Equador, da quadra esportiva de Porto Grande, construção de 287 casas no Infraero II, da Rodovia Norte-Sul e aquisição de equipamentos e maquinários agrícolas. Após a definição das prioridades, representantes do governo do Estado estão em contato com bancada federal, em Brasília, para que os trâmites sejam agilizados.

Mariléia Maciel
Assessora de Comunicação