O governador Pedro Paulo Dias de Carvalho prestou apoio nesta quinta-feira, 29, à luta da União dos Estudantes Secundaristas do Amapá (Uecsa) e União Municipal dos Estudantes Secundaristas do Município de Macapá (Umes), que emitiram nota de repúdio contra o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amapá (Setap).

Pedro Paulo recebeu em seu gabinete, na Residência Oficial, o presidente da Uecsa, Pedro “Filé”, da Umes – Track Eden, além do secretário da Juventude, Rodrigo Portugal,e afirmou estar solidário à luta dos estudantes pela garantia da meia-passagem e contra o desrespeito que vem sendo praticado pelo Setap contra a classe estudantil.

Na quarta-feira, 28, Uecsa e Umes emitiram nota, afirmando que o Setap não cumpriu o acordo de ressarcir os créditos dos usuários na terça-feira, dia 27, através dos cobradores, conforme foi veiculado na imprensa. “Vários usuários, principalmente estudantes, foram vítimas de constrangimento e tiveram de descer dos veículos por não ter como pagar a passagem”, diz o documento, assinado por Pedro Lourenço e Track Eden.

A nota também diz que o Setap mente quando diz que já entregou mais de 30 mil cartões aos usuários. Somente estão recebendo novos cartões os estudantes que solicitaram segunda-via ou fizeram cadastro pela primeira vez este ano, o que soma não mais que 7 mil cartões. Os demais estudantes, que também pagaram 12 reais, estão sendo submetidos a uma nova fila de cadastro para simplesmente procederem o desbloqueio do cartão.

Durante o encontro, Pedro Paulo afirmou que se a Lei Orgânica do Município garante que a Prefeitura de Macapá e legítima detentora da Bilhetagem Eletrônica, “então que se cumpra a lei”. Ele também se propôs a conversar com o prefeito Roberto Góes para também prestar apoio ao município, que luta na Justiça para retomar a bilhetagem.

Diante do apoio do governador Pedro Paulo, Uecsa e Umes marcaram para quarta-feira, 4, uma grande manifestação em frente ao Setap como forma de sensibilizar as autoridades acerca da postura intransigente, reacionária e desrespeitosa que o sindicato vem mantendo, além de pressionar os empresários a garantirem a devolução dos créditos retidos desde a malfadada “virada de chave” ocorrida no dia 10 de julho, bem como a entrega imediata dos cartões novos, pelos quais os estudantes pagaram no início do ano e até agora não receberam.

Viviane Oliveira  – Jornalista – Reg. Prof. 079/08

Assessoria de Comunicação/UECSA/UMES