A Polícia Federal deflagrou hoje, 20, a Operação TERRAS CAÍDAS*, com o objetivo de desarticular organização criminosa
especializada em forjar a regularização de terras da União.
A ação é resultado de trabalho em conjunto com o Ministério Público
Federal.Estão sendo cumpridos dois mandados de prisão temporária e um de prisão
preventiva, além de cinco mandados de busca e apreensão nas cidades de Macapá/AP e Porto Velho/RO.


De acordo com a investigação criminal, os autores inseriam dados falsos
de imóveis rurais pertencentes à União no Sistema de Gestão Fundiária
(SIGEF), administrado pelo INCRA, atribuindo-os a particulares. Em ato contínuo, iniciavam o procedimento de regularização fundiária junto ao
INCRA, utilizando dados ideologicamente falsos.
Laudos da perícia técnica atestaram que muitos terrenos não sofreram qualquer tipo de intervenção humana, estando registrados em nome de
posseiros (grileiros) que nunca exerceram atividade rural, demonstrando claramente a intenção de especular os imóveis.

Cerca de dois mil hectares foram demarcados como sendo de propriedade
de particulares (o equivalente a mais de dois mil campos de futebol). O
grupo atuava desde 2015 no Estado do Amapá.

Se condenados, os investigados poderão responder, na medida de suas
responsabilidades, pelos crimes de inserção de dados falsos no sistema de
informações, falsidade ideológica, organização criminosa e invasão de
terras públicas da União e poderão cumprir até 28 anos de reclusão.
* O termo terras caídas remete ao fenômeno da natureza que
desmembra as terras que ficam às margens dos rios, assim como os
investigados que desmembraram ilegalmente as terras da União.
Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá
[email protected] | www.pf.gov.br
(96) 3213-7602/7569