*Márcio Augusto Alves. Membro do MP-AP

Muito falamos e pouco praticamos sobre como o investimento em educação mudou a qualidade vida de muitos países (Finlândia, Coreia do Sul, Chile, Suécia, por exemplo). Por meio da educação, podemos melhorar a condição social e o desenvolvimento econômico do nosso país, reduzindo drasticamente o índice de corrupção sistêmica por que passamos há anos.

Uma pesquisa publicada em 2017 por Bo Roststein, cientista sueco, aponta que a raiz da corrupção está no descuido histórico com a educação. Isto demonstra o porquê de países que privilegiaram o investimento em educação, em especial no ensino público de qualidade, serem os mais transparentes com a sociedade, como acontece com a Alemanha.

A fim de mudar esse quadro em nível estadual, no primeiro semestre deste ano, o Ministério Público do Estado do Amapá iniciou a implantação do Projeto de Prevenção Primária à Corrupção no Amapá, o qual será abraçado, inicialmente, por 10 escolas públicas estaduais e dos municípios de Macapá e Santana. Nesse período, queremos conversar com jovens e adolescentes, que ainda são, de certo modo, “puros” naquilo que provoca o “desvio de caráter”, mas que podem, no porvir, ser os grandes estimuladores no combate ao grave crime de corrupção. Nós não nascemos corruptos. Somos massificados, diariamente, com a vil ideia de que o povo brasileiro é o “povo do jeitinho”; que “podemos levar vantagem em tudo” desde a mais tenra idade, como: colar nas provas, furar fila no banco, não devolver o troco que recebemos a mais, ultrapassar sinais vermelhos de trânsito, enfim, atitudes aparentemente “inocentes”, mas que provocam um profundo desvio de conduta com a sua contumácia.

Será que vamos mudar esse cenário??? Acreditamos que pode demorar um pouco, mas que sim, é possível termos um país diferente se, juntos, começarmos a provocar essas mudanças por meio da educação e da conscientização dos nossos jovens. Acreditamos que quem já está “maduro” dificilmente será objeto de mudança, mas o trabalho realizado na “formação” dos nossos jovens poderá nos levar a um futuro diferente.

Por isso acreditamos, como o cientista sueco, que só pela educação poderemos chegar ao desenvolvimento, pois ela promove a integração, compartilha oportunidades para todos e, por consequência, gera mais cobrança para os serviços públicos prestados precariamente pelo estado brasileiro aos seus cidadãos.

No atual estágio em que se encontra a educação em nosso país, tudo o que dela depende está literalmente em cheque: igualdade, distribuição de renda e, por consequência, todo o desenvolvimento da sociedade, pois só o conhecimento nos liberta de nossas prisões sociais. Por isso, podemos afirmar que a educação é a arma mais poderosa para enfrentarmos a corrupção reinante em nosso país. Só ela nos libertará e renovará a nossa sociedade.

Educação e corrupção estão umbilicalmente ligadas, sendo uma inversamente proporcional à outra. Os países mais corruptos são aqueles que têm os menores índices de educação e igualdade. Vamos juntos, Ministério Público e a sociedade civil organizada, começar a mudar os rumos dessa tragédia social diária em nossas vidas!!!

 

 

 

Márcio Augusto Alves

Membro do MP-AP

Ação do MP vai à Escola, em Santo Antonio da Pedreira