Cântico dos Cânticos

Por

Wagner Gomes
Advogado
E-mail: [email protected]

 

Defino-me como católico do IBGE, que é aquele aferido pelo famoso instituto de pesquisas, quando mede o tamanho das religiões no País.
Não costumo freqüentar missas, novenas, etc. Mas a pedido de minha mãe, passei a ler a Bíblia nas suas mais variadas versões, traduções e explicações.
E falando de tais leituras com um sociólogo amapaense, Jocivaldo França, num bar do Aturiá, ele me dizia que o seu Trabalho de Conclusão de Curso foi sobre a “História do Erotismo na Humanidade”.
Conversamos, então bastante sobre o assunto, sempre lembrando que a Igreja Católica tratava antigamente (ou atualmente?) tudo o que tinha a ver com o comportamento sexual como grande perigo mortal.
Falar de sexo era falar de tentação, pecado mortal a condenar as pessoas ao “fogo do inferno”. Peca-se, não apenas por ações, mas omissões, pensamento e desejos.
Muitos chegaram a autocastração, para se verem livres dos pecados e do seu sexo.
Meu companheiro de bar, o sociólogo, é daqueles que afirmam que o principal órgão sexual é o cérebro, não os órgãos genitais.

 

Comecei a lembrar dessa conversa quando, manuseando o Velho Testamento, deparei-me com o livro bíblico Cântico dos Cânticos, que é o mais belo dos cânticos composto por Salomão.
“É um livro que canta a sexualidade humana sem tabus em toda a sua musculatura erótica, apaixonada e solidária, nas suas tendências hétero e homo, sem pornografia”, definia Jocivaldo (Jojoca), ingerindo um copo de cerveja.
E eu digo: o poema não canta o amor entre um homem e uma mulher unidos pelo casamento, mas o amor entre um homem e uma mulher simplesmente:
“Beija-me com teus doces lábios, que as tuas carícias são mais deliciosas que o vinho; o som de teu nome é agradável perfume, por isso as mulheres gostam de ti. Leva-me contigo! Vamos depressa! Leva-me para os teus aposentos, ó meu rei, vamos alegrar-nos eu e tu e ser felizes. Celebremos o teu amor mais suave do que o vinho. Com razão toda gente gosta de ti”

 

Nas minhas pesquisas, cheguei a uma triste conclusão: o Livro Cântico dos Cânticos foi reprimido, silenciado, ignorado, excluído, ou interpretado numa dimensão mística: sem sexo. O que ele cantaria seria o amor de Cristo por sua Igreja quando, na verdade, é um poema espontaneamente humano, sexuado, erótico e liberto, em que é mais a mulher a tomar a iniciativa.
Finalmente, encerando esse despretensioso artigo, digo que hoje estou mais para a moral sexual do Cântico dos Cânticos de Salomão, com a qual Cristo mais se identificou na sua prática libertadora, do que a dos mandamentos de Moisés.
Cristãos do mundo todo, leiam o Cântico dos Cânticos! Uni-vos e amai-vos uns aos outros como Cristo vós amou!

 

  • Tema do belo texto de wagner, só podia ter o Jojoca como personagem. É a cara dele. Aturiá, cerveja, sexo, igreja, polêmicas e provocações. Saudades das conversas embriagadas com vcs dois.Prometo arrumar tempo antes que os quarenta cheguem pra gente papear e rir mt!! Abç!!

  • MUTOS ADVOGADOS NO BLOG. COM CERTEZA TEM RELAÇÃO COM O CARGO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA A SER INDICADO PELA OAB.

  • Sexualidade tratada naturalmente, sem repreensões. O que mais tarde seria explicada por Freud!

  • Eu tb aprecio muito o Cantico dos Canticos, inclusive usei trechos em meu convite de casamento… seria muito interessante ele ser mais divulgado, estudado, apreciado.

Deixe uma resposta para Aurea Batista de Sá Viana. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *