A entrevista do blog volta hoje com a jornalista Dulcivânia Freitas, paraibana boa gente, inteligente e espirituosa que aportou no Amapá como funcionária concursada da Embrapa, onde é competente Assessora de Comunicação.

Dulcivânia pilota o blog Além do Release, visita obrigatória para assessores, jornalistas e estudantes de comunicação, pela qualidade de seu conteúdo.

Vamos conhecer mais dessa tucuju adotiva.

dulcivania

Desembarque em Macapá ?

Desembarquei em 2 de maio de 2006. A tarde estava muito, muito, muito quente, mas como eu morava em Belém já estava acostumada com essa agonia de “oh meu Deus me ajuda a chegar no ar condicionado mais próximo”. O casal de amigos que me aguardava me apresentou ao Rio Amazonas. Não vou dizer que chorei porque é mentira, mas fiquei emocionada com aquele mundão de água moldurando a cidade e ali, debaixo de um sol escaldante, pensei “Vou ser feliz aqui”. E sou.       

A boa do final de semana – Sexta é cultura pura tipo teatro e os eventos da Confraria Tucuju. O sábado é para pagar contas e fazer mais (eheeheeeh), manicure, supermercado, arrumar gavetas, cabeleireiro, jantar fora romanticamente, enfim, Deus  fez o sábado enorme só pra mim….e o domingo é o dia da missa, massa, banca do Dorimar, cinema e dormir muuuuuuuuuuito.

Banho de rio ou banho de mar – Prefiro uma banheira com espuma cheirosa. Deixando a frescura de lado, rio é bom para banho sim…o mar é para admirar e fotografar. Tenho medo das ondas.  

Um lugar para comer – Ah dona blogueira, não sendo do lado do Banco do Brasil, tá bom demais. Com todo respeito aos culinaristas e apreciadores dos seus dotes, mas aquelas barracas não deveriam estar ali. Para não fugir da resposta, em Macapá eu vou de Flora, e no interior vou de Mineiroca, um balneário que não vou dizer onde fica para não “empestar” de gente…eehehehehe

Pirarucu na Castanha, da Flora

Pirarucu na Castanha, da Flora

Uma comida do meio do mundo e uma da Paraíba – Macapá pode ostentar o camarão no bafo, é gostoso demais! Se quiser me matar envenenada, prepare-me camarão no bafo..eheehehe

Na Paraíba eu vou de cuscuz com queijo coalho (faço muito bem), inhame com galinha de capoeira (aqui chamam caipira), creme de macaxeira com carne de sol e muita, mas muita buchada de bode.

Uma viagem inesquecível – Um tour pelo Rio Amazonas em novembro de 2005, a trabalho. Foram 19 dias em um navio da Marinha, conheci comunidades ribeirinhas e a partir daquele momento assumi minha condição de “amazônida” de coração. O bom é que isso ocorreu aos poucos e intensamente, sem forçar a barra ou somente para agradar o povo da região.       

Um bairro ou uma rua, em Macapá ou em outro lugar – A orla de Fazendinha é o local mais especial, mais fascinante, mais lindo, mais acolhedor, mais atrativo de Macapá….foi lá que comecei namorar meu marido, às 19 horas de 21 de julho de 2006. Tá explicado né?

O casamento, que ela tratava pelo msn com o Padre plugado lá da Paraíba

O casamento, que ela tratava pelo msn com o Padre plugado lá da Paraíba

Uma música do povo daqui – Jeito Tucuju, ouço quase todos os dias, várias vezes, em casa e no trabalho.  Sou louca por um autógrafo de Val Milhomem e Joãozinho Gomes, é serio!

Outras artes do povo daqui- O Marabaixo é inebriante, foi esse o efeito sobre minha simples pessoa. Conheci melhor e de perto numa festa em louvor a São Jorge no bairro do Laguinho, a convite da maravilhosa Mariléia Maciel. Não acho suficiente gostar e admirar, acho que todos temos responsabilidade em contribuir para divulgá-lo, registrá-lo de diversas formas (vídeo, fotografias, livros etc).

Agora dá licença dona blogueira, vou aproveitar a oportunidade para dizer que sou fã da Boêmios do Laguinho.

Um livro na cabeceira – Nunca faltam os gibis da Turma da Mônica, atualmente dividem espaço com o livro “Jornalismo Político” (Roberto Seabra e Vivaldo de Sousa). São vários artigos de jornalistas da imprensa nacional, de professores de comunicação, que contam em linguagem bem simples e com franqueza desconcertante e educativa. O bom é que falam de teoria, história e também os macetes das técnicas de trabalho para editoria de política. Fiquei com vontade de presentear vários amigos, inclusive políticos, com este livro, mas como me sobra boa vontade e falta-me $ para tanto, vou comprar mais um e sortear solitariamente. eheheehehe         

Um filme – A Cor Púrpura, disparado. O melhor drama de todos os tempos no cinema, na opinião desta pessoa.

Macapá em uma frase – “Dona e guardiã do Rio Amazonas”.

fortalezablog