Por Alcione Cavalcante. Engenheiro Florestal formado pela Universidade Federal do Paraná

O Estado do Amapá conta hoje com aproximadamente 670 mil habitantes, dos quais 600,5 mil em áreas urbanas, concentrados em maior escala em Macapá e Santana, correspondendo a quase 90% da população, marca que o coloca, proporcionalmente entre os mais urbanizados da Federação.

O posicionamento de Macapá nos confere algumas singularidades, como por exemplo, ser a única capital brasileira banhada pelo Rio Amazonas, e de igual modo ser uma das poucas cidades a ter a linha do Equador cortando seus domínios. Tal quadro se nos proporciona usufruir das belezas, outros serviços e bens do majestoso rio, ao mesmo tempo, em função dessa localização, impõe o clima tropical úmido, caracterizado por apresentar uma estação chuvosa e um período seco bem definido, que no geral ocorre no segundo semestre do ano. Por conta dessa condição, Macapá apresenta temperatura máxima chegando próximo aos 37° C nos meses mais quentes, colocando-nos vez por outra na condição de cidade mais quente do País.

Aliada à condição climática, a já citada concentração urbana, também exerce papel fundamental na composição do gradiente. Como sabemos quanto mais gente, mais asfalto, mais concreto, mais amianto, mais fumaça, fatores estes que contribuem cada um a seu modo, para a elevação da temperatura urbana. Incorpore-se a estas questões a falta de planejamento e ordenamento territorial urbano, e o resultado nos coloca muito aquém das recomendações da Organização Mundial de Saúde – OMS, quando o assunto é a relação m² de área verde/habitante.

Importância da Arborização Urbana

Diante desse quadro destaca-se a valor da arborização urbana. Além de contribuir para amenizar a sensação térmica, que é parte mais perceptível de sua importância, citamos também a contenção da erosão, a manutenção da umidade do ar, a redução da incidência direta da luz solar sobre os solos, o abrigo da fauna, em especial das aves que controlam a população de insetos urbanos. Aparto ainda sua função como escudo natural contra a poluição sonora, assim como barreira antipoluição atmosférica oriunda de chaminés e descargas oriundas de veículos automotores, fatores estes componentes do mapa urbano de Macapá e finalmente o mais famoso e importante, o processo fotossintético que absorve o CO2 da atmosfera e repõe oxigênio.

Fig. 01 – Claudomiro de Moraes

A Influência da Arborização sobre a Temperatura Urbana.

No caso de Macapá, não há estudos que sinalizem com precisão este papel.  Nacionalmente diversas instituições e pesquisadores se debruçam sobre o tema, gerando informações interessantes. Por exemplo, citamos o caso da cidade de São Paulo, onde ocorrem diferenças de até 10 ° C, no mesmo horário, entre padrões de arborização diferenciados, ou seja, entre espaços urbanos arborizados e aqueles onde a arborização é deficiente ou inexistente. No caso de Macapá essa diferença torna-se mais significativa, pois o desconforto térmico atinge de forma mais incisiva as parcelas da população menos favorecida.

A Falta de Árvores que Dói no Bolso do Cidadão

Os elevados índices térmicos estão sendo “corrigidos” através do uso de aparelhos e centrais de ar condicionado, que por sua vez consomem mais energia, remetendo ao uso mais intensivo dos recursos naturais e potencializando impactos negativos sobre o meio ambiente. Temos ainda o mais imediato dos prejuízos, no caso o que ocorre diretamente sobre o bolso e a saúde do cidadão.

Fig. 02 – Marabaixo

O Plano Diretor de Macapá, Casos Exitosos e Bons Exemplos

Não por acaso a situação da arborização urbana e de áreas verdes de Macapá é insatisfatória. Uma rápida consulta ao Plano Diretor de Macapá confirma que os termos arborização e verde são citados uma única vez (Art. 56 e art.10) no citado instrumento de politica pública do Município. Entretanto há casos exitosos recentes, dos quais podemos citar a arborização conduzida em 2006 no Bairro Marabaixo I e o plantio de mudas em parte do canteiro central da Av. Claudomiro de Moraes, que receberam forte apoio de parte da comunidade e hoje fazem parte da paisagem urbana de Macapá.

Fig. 03 – Curitiba Jardim Botânico

Bons exemplos devem ser considerados, nesse caso convém destacar que algumas cidades já perceberam significância à arborização e áreas verdes, para a qualidade de vida dos cidadãos, como caso de Curitiba, no sul, Goiânia no centro-oeste e João Pessoa no nordeste, para ficar apenas nos exemplos mais conhecidos.

Fig. 04 – Curitiba Parque Tanguá