A Associação dos Portadores de Diabetes do Estado do Amapá e a Assembléia Legislativa promovem nessa quinta-feira (17), uma audiência pública no plenário da Assembléia Legislativa  do Estado para debater a situação dos portadores da doença no estado e também as formas de prevenção.

A  associação foi criada em dezembro passado exatamente com o objetivo de buscar apoio no poder público para a situação de quem sofre da diabetes, e também para alertar a população sobre  os cuidados necessários para se evitar.

O Diabete Melito é um dos mais sérios problemas de saúde pública em todo o mundo, não só em função de suas graves complicações agudas e crônicas mas, também, em função dos altos custos sociais e financeiros que representa. Integrante da comissão de saúde e autor do requerimento para a audiência pública, o deputado Ruy Smith (PSB), entende que o evento desta quinta-feira deverá motivar o Estado a adotar iniciativas de apoio aos portadores, assim como de medidas preventivas.

Segundo o presidente da entidade, Hélio Ferreira, o apoio prestado aos diabéticos no estado é mínimo. “Recebemos a  Insulina do Governo do Estado e a Metiformina do município e nada mas. Os dois são distribuídos pela União na rede pública de saúde. Faltam iniciativas locais como, por exemplo, um centro de referência em tratamento” defende Hélio.

Para o presidente o número de integrantes da associação não representa a realidade no estado e certamente está muito longe do número de portadores do diabetes no Amapá. Entre outros fatores a entidade pretende também conseguir levantar dados sobre o quadro real no estado.

O diabete melito é a quarta principal causa básica de morte no Brasil. Apenas 40% dos atestados de óbito de diabéticos mencionam a doença. O risco de morte nesses casos é duas vezes maior que em não-diabéticos. O portador têm chance entre duas  a quatro vezes maior de desenvolver doença arterial coronariana e derrame cerebral, quando comparados aos não-diabéticos. Cerca de 65% das mortes são devidos  a doenças cardíacas e derrame cerebral e mais, 73% dos diabéticos apresentam hipertensão arterial.

Sem tratamento, o diabetes pode provocar doenças cardíacas, derrame, hipertensão arterial, cegueira, insuficiência renal e levar à amputação das pernas.
Contatos:

Gab do dep. Ruy Smith : 3212-8319