Na próxima quinta-feira, 22 de março, a Academia Amapaense de Batuque e Marabaixo (AABM) será instalada oficialmente e 40 acadêmicos serão empossados como imortais, assumindo as cadeiras que homenageiam os pioneiros da cultura tradicional do Amapá. O padre Paulo Roberto Matias foi escolhido por aclamação para presidir a Academia por ser o idealizador do projeto, e está à frente dos trabalhos desde janeiro, quando os fundadores iniciaram os estudos de pessoas que representam a cultura do Amapá. A solenidade de fundação será de 17h às 22h, com missa, cortejo, posse e coquetel.

A ideia de criar a AABM surgiu do interesse dos fundadores, representantes de grupos tradicionais e lideranças quilombolas, do marabaixo e religiosas, que discutiram a necessidade de uma entidade que resguarde a memória, tradições e cultura afrodescendente do Amapá, com foco para o estudo e valorização da história de pessoas que contribuíram e contribuem com suas experiências e trabalho para a manutenção da sabedoria popular. Três comissões foram formadas para a avaliação e seleção de 40 nomes para serem homenageados como patronos das cadeiras e dos imortais que irão ocupá-las.

Os patronos escolhidos são personalidades já falecidas, 20 da zona urbana e 20 da zona rural, detentores do saber popular assistemático das culturas do marabaixo e batuque e suas raízes religiosas. “Na seleção, os critérios não foram escolaridade nem profissão, mas sim o conhecimento da cultura popular e o esforço para que fosse mantida. Essa contribuição pessoal dos antepassados é histórica, e graças a ela nossas tradições estão mantidas. Estes antepassados precisam ser respeitados e reconhecidos, por isso pensamos em um projeto sério e diferente de tudo o que já foi feito”, disse Danniela Ramos, da coordenação.

“A Academia será formada por guardiões da memória da cultura do Amapá, por seus contadores e cantadores, que não podem ser esquecidos, eles precisam desse respeito, por serem os protagonistas e detentores do saber popular. É uma entidade que se propõe a estudar, pesquisar com base no social, antropológico, religioso e cultural, que vai unir as comunidades e agregar em seu entorno a sociedade em geral, e garantir o respeito e orgulho do povo do Amapá”, enfatiza o presidente da entidade, padre Paulo Roberto Matias.

Serviço:

Fundação da AABM e Posse dos imortais

Data: 22 de Março

17h – Missa na antiga Igreja Matriz de São José

18h – Cortejo dos Acadêmicos da Igreja para o Teatro das Bacabeiras

19h – Solenidade de Fundação da Academia e posse e diplomação dos 40 acadêmicos Imortais – no Teatro das Bacabeiras

21h – Coquetel no Centro Cultural Jorge Basile – Ao lado da Igreja Jesus de Nazaré.

Acadêmicos imortais e patronos :

CADEIRA PATRONO (ANCESTRAL) NOME CONHECIDO ACADÊMICO
01 Gertrudes Saturnino de Loureiro – Favela Getrudes Maria José Libório
02 Julião Tomás Ramos – Laguinho Mestre Julião Benedita Guilhermina -Tia Biló
03 Raimundo Ladislau (Laguinho) Ladislau Josefa Lina da Silva – Tia Zefa do Quinca
04 Felícia Amaro Ramos (Laguinho) Parenta Felícia Danniela Patrícia Monteiro – Danniela Ramos
05 Maria Natalina Silva Costa (Favela) Natalina Valdinete Silva da Costa
06 Raimundo Lino Ramos (Laguinho) Mestre Pavão Naíra de Paula Sena de Souza
07 Venina Francisco de Trindade – Laguinho Venina Alexandre Conrado Queiroz do Nascimento
08

 

Francisca Antônia Ramos Santos  (Curiaú) Tia Chiquinha Adelson Socorro Ramos dos Santos – Adelson Preto
09

 

Raimunda Rodrigues do Carmo (Favela) Dica Congó Maria Elísia Carmo Silva
10 Joaquim Miguel Ramos (Laguinho) Joaquim Ramos Joaquim Ramos da Silva – Munjoca
11 Benedito Lino do Carmo (Favela) Velho Congó Otacílio Souza do Carmo
12 José Flexa da Costa (Favela) Zeca Costa Marcelo Cláudio de Jesus Coimbra
13 Maximiano Machado dos Santos (Curiaú) Seu Bolão Pedro Rosário Santos (Pedro Bolão)
14 Antônia Ribeira Paes (Igarapé do Lago) Dona Ribeira Danielly Uchôa Paes (Dani Pancadão)
15 João Batista Araújo dos Santos (Favela) João Barca  
16 Davina dos Santos (Curiaú) Davina Josefa Maria Miranda – Dona Zefinha
17 Adélia Tavares de Araújo (Laguinho) Tia Guíta Paulo Roberto da Conceição Matias de Souza
18 Manoel Paciência da Silva (Laguinho) Mané Paciência Raimundo Sousa – Dô Sacaca
19 Cândida de Souza Santos (Laguinho) Cândida Isis Tatiane da Silva dos Santos
20 Joaquim Teófilo dos Santos (Laguinho) Sussuarana Raimunda da Silva Ramos -Dica Bruno
21 Raimundo Hildemar Maia dos Santos (Laguinho) Hildemar Maia João Carlos do Rosário – Carlos Piru
22 Mamédio Amaral da Silva (Favela) Mamédio Marilda Silva da Costa
23 Lucimar Araújo Tavares (Laguinho) Tia Luci Maria Ozelina Tavares
24 Joaquim Tibúrcio Ramos (Curiaú) Seu Tibúrcio João da Cruz Silva – João do Cizino
25 Maria Celestina da Silva Maria Congó Maria Izabel Santos da Silva – Dona Bebel
26 José Coimbra do Nascimento (Curiaú) Curicaca Joaquim Araújo da Paixão – Seu Carolina
27 Maria Manoella Rodrigues dos Santos (Ilha Redonda) Maria Máxima Raimunda dos Santos Lobo – Dona Dindina
28 Áurea Lina Barbosa (São Francisco do Matapi) Tia Sinhá Maria Santana de Almeida Souza
29 Maria Clemência da Silva (Pirativa) Maria Desidéria Patrícia Pereira da Costa
30 Antônia Pereira Luzia (Maruanum)   Marciana Nonata Dias
31 Olga Valente Jacarandá (Mazagão)   Joaquina da Silva Jacarandá
32 Benedito Nunes (Mazagão)   José Hosana Nunes da Silva
33 Pedro Barriga da Silveira (Mazagão)   Raimunda Rosângela da Silva – Gungá
34 João Pedro Queiroz (Mazagão)   José Jorge da Silva – Tio Jorge
35 Manoel da Silveira Belo (Mazagão)   Manoel Antônio da Silva – Mané Caldo
36 Raimundo Pereira de Barros (Coração) Seu Isabelino Raimunda Pereira de Barros – Tia Diquinha
37 Maria Sebastiana da Silva Tia Sabá Josefa Pereira Lau – Tia Zezinha
38 Maria Cabral (Campina Grande)   Delcilene do Carmo Costa – Del do Marabaixo
39 Mariana de Souza Pereira (Ambé) Tia Flor Enedino Pereira Nunes
40 Josefa Domingas (São Tomé) Tia Pagôa Isabel Maria Lino do Espírito Santo – Zefa do Grande

 

Mariléia Maciel

Assessoria de Comunicação – AABM